AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

De acordo com a ministra do Mar, Ana Paula Vitorino, a China manifesta cada vez mais interesse pela centralidade de Portugal no Atlântico no cruzamento das rotas marítimas globais, como é o caso de Sines.

O Ministério do Mar avançou com um memorando com o homólogo em Pequim para desenvolver o que batizaram de “parceria azul”. O objetivo é o de criar uma extensão “azul” da iniciativa das novas rotas da seda (Belt and Road) que coloque Portugal no mapa da globalização chinesa. A visita recente a Portugal de Wang Yi, ministro dos Negócios Estrangeiros chinês, e o encontro com o homólogo português, Augusto Santos Silva, reforçou esta oportunidade.

 

O presidente da Fundação AIP, Jorge Rocha de Matos, sublinhou que o mundo empresarial português deve aproveitar esta oportunidade e que “Portugal tem condições de afirmar a sua centralidade no contexto desta nova fase da globalização e pode e deve tirar partido desta iniciativa chinesa”. O mesmo também salientou a importância dos portos continentais de águas profundas, com destaque para Sines, Açores e à Zona Económica Exclusiva atual, que já é a terceira maior da União Europeia, e que quase duplicará, se a candidatura de extensão da plataforma continental for aprovada.

 

Uma oportunidade emergente prende-se com o gás natural liquefeito (GNL). Um especialista do setor refere ao Expresso que “no contexto energético da mobilidade marítima, a posição geoestratégica de Portugal e das regiões autónomas dos Açores e da Madeira podem conferir maior eficiência nas rotas marítimas no que diz respeito ao reabastecimento dos navios movidos a GNL”. Acrescenta que uma ligação à posição estratégica de Cabo Verde é outra vertente fundamental, onde a Enacol-Empresa Nacional de Combustíveis é controlada em mais de 48% pela Galp. António Costa Santos avança, por seu lado, que “o porto de Praia da Vitória, na ilha Terceira, cujo uso é incipiente, pode ser convertido numa grande estação de GNL mesmo no centro do Atlântico”.

 

Fonte:  Expresso

Partilhar