NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

Não é só em Lisboa que o mercado imobiliário está com grande dinamismo, o Porto também se encontra num momento 'explosivo', em 2018 superou todas as expectativas.

A Predibisa, uma das empresas de consultoria imobiliária com mais expressão do mercado do Norte, sobretudo no Grande Porto, revela que fechou o ano com negócios de 180 milhões de euros, registando crescimento em todos os segmentos, com a área de escritórios a ser uma das que registou melhor performance, no qual a Predibisa foi responsável pela colocação de uma área total de 42.605 m2 no Grande Porto.

 

De facto, registou um crescimento de 20% face ao ano anterior. Nos últimos anos, os movimentos de negócios da Predibisa cresceram expressivamente, atingindo, em 2018, o valor mais alto de sempre. "O nosso crescimento tem uma relação directa com o crescimento e a modernização do Grande Porto. O facto de todos os segmentos de negócio terem crescido é um indicador da vitalidade da região.", afirma João Magalhães, director-geral da Predibisa. O responsável adianta ainda que: "os investidores, sejam particulares para o segmento residencial ou multinacionais interessadas em se instalar no Porto, têm valorizado o facto de a Predibisa ser uma empresa portuguesa, nascida no Porto, que actua com os mesmos padrões de negócio internacionais".

 

A consultora refere ainda que o portefólio da Predibisa incorporou em 2018 importantes negócios. Desde logo na área Corporate evidenciaram-se transacções como o Urbo Business Center, com a instalação do BNP Paribas; o novo centro tecnológico de I&D do Prozis Group; um espaço comercial no edifício da Milestoneque alojará a futura residência universitária na Asprela; e ainda a colocação da Starbucks. Já na Reabilitação Urbana destaque para projectos como a colocação a 100% dos apartamentos do Aliados 107; o Flores Plaza e Flores 77 e, na área Residencial, os projectos Sousa Rosa 33; Sobreiras 470; Jazz Residence; Boavista Prime e Ouro Residence.

 

Dinamismo imobiliário transversal aos vários segmentos

 

Como já referido, 2018 foi um ano recorde na colocação de escritórios pela Predibisa, motivados por uma maior confiança do mercado. Do lado da procura o crescimento foi alavancado pelas multinacionais, que elegem cada vez mais o Grande Porto para se instalarem e também pelas empresas já instaladas, em fase de crescimento, que têm interesse em se deslocalizarem para edifícios com melhores infraestruturas. Acessibilidades, qualidade de vida, relação custo/benefício, também explicam a forte representatividade o ano passado no segmento de escritórios da região.

 

Já o segmento residencial da Predibisa voltou a demonstrar o forte desempenho, registando um acentuado volume de transacções, com bons retornos imobiliários. De destacar, a retoma na construção, factor que tem originado a que zonas como a Foz tenham previstos novos e importantes projectos habitacionais, que em muito contribuem para a renovação da cidade.

 

Por outro lado, a reabilitação urbana no centro do Porto, aposta da consultora há já vários anos, e fortemente interligada à área residencial, mas também a outras como o retalho, a promoção e a hotelaria, consolidou os níveis de crescimento. Esta dinâmica advém, essencialmente, do aumento do turismo e do alojamento local.

 

No que diz respeito ao retalho, ao longo do ano de 2018 verificou-se um crescimento significativo, com mais incidência no comércio de rua, que se mantém muito ativo, devendo-se, em larga medida, ao incremento do turismo, sendo a Baixa do Porto a zona com maior incidência de procura de espaços comercias. O crescente aumento de turistas que visita a cidade é também fator impulsionador que, com os novos projetos que se encontram em desenvolvimento, como é exemplo na Avenida dos Aliados, potenciarão inovação e serão destino de lojas de marcas de luxo.

 

Na indústria e logística, o ano revelou bons níveis de performance, comprovando assim a consolidação do mercado imobiliário a norte. Um dos negócios a destacar nesta área refere-se à colocação da Garland, em Aveiro. As boas perspectivas de conjuntura económica projectam uma evolução ainda mais positiva no decorrer dos próximos anos, quer ao nível da procura como do investimento neste segmento.

 

Por último, o segmento de capital market, que nos últimos anos tem registado valores recorde, em função de muitas empresas estrangeiras apostarem na região em grandes activos imobiliários, numa base de rendimento garantido, voltou a afirmar-se em 2018. Isto deve-se ao facto do Porto ter o metro quadrado dos mais baratos da Europa, logo a rentabilidade é das mais altas.

 

João Magalhães, salienta ainda que as projecções para 2019 "são optimistas. Acreditamos que o turismo continue a alavancar o alojamento local e a hotelaria, a par do forte incremento em projetos de reabilitação, bem como o aumento do número de estudantes estrangeiros, que fomenta o mercado de residências de estudantes. Este último deverá impulsionar uma intensa atividade de investimento no mercado imobiliário do Porto. Não obstante, a procura de escritórios na região deverá manter os níveis de absorção inéditos de 2018 e será outra das tendências fortes do ano".

Partilhar