NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

Para já, o projeto piloto vai testar a funcionalidade com malas de luxo usadas, que podem depois ser trocadas por créditos em compras na loja da Farfetch.

As marcas estão cada vez mais voltadas para a sustentabilidade e a iniciativa mais recente da Farfetch vem, precisamente, provar isso. Chama-se Farfetch Second Life e é um programa que permite a transação de artigos de luxo em segunda mão.

Para já, o projeto piloto vai testar a funcionalidade com malas de luxo usadas, que podem depois ser trocadas por créditos em compras na loja online da Farfetch.

 

"A moda de luxo está cada vez mais relacionada com a moda sustentável e a revenda de artigos em segunda mão é uma área de interesse crescente por parte dos nossos clientes", refere Giorgio Belloli, 'chief commercial and sustainability officer' da Farfetch, citado num comunicado a que o Notícias ao Minuto teve acesso.

 

Os interessados em aderir a este programa devem submeter as informações e fotografias das malas no site da Farfetch para o efeito, aqui. Depois, um parceiro da Farfetch fará uma proposta de preço, em dois dias úteis, que pode ou não se aceite pelo cliente.

 

Caso seja feito negócio, será agendado, de forma gratuita, um serviço de recolha do artigo, que estará ainda sujeito a verificação, antes de o montante acordado ser depositado na conta do cliente na Farfetch - o valor pode ser utilizado em compras na plataforma.

 

"Tal como o mercado de luxo online, o mercado de luxo em segunda mão também está a crescer muito rapidamente e é provável que duplique mesmo nos próximos cinco anos, atingindo os 51 mil milhões de dólares. Um programa de revenda de luxo como o Farfetch Second Life permite-nos entrar de imediato neste mercado e testar o interesse dos clientes da Farfetch neste tipo de serviço", disse Belloli.

 

Para já, a empresa de venda online de artigos de luxo, fundada pelo português José Neves, está a aceitar malas de 27 marcas, como Louis Vuitton, Celine ou Chanel, que podem ser consultadas no site da iniciativa.

Partilhar