NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

Caldeira Cabral visitou este domingo as 44 empresas portuguesas presentes na a maior feira de artigos de desporto do mundo, em Munique. Fez diplomacia económica. Falou com alguns clientes. Elogiou o made in Portugal, mas também ouviu elogios. Percebeu que o galo de Barcelos ainda pode ser rei numa feira voltada para a tecnicidade. E até escolheu o seu destino de sonho... Portugal

omo está? Sou o ministro da Economia e estou aqui a apoiar as empresas portuguesas". Simples e direto, Caldeira Cabral apresentou-se assim, num inglês perfeito, a um cliente da têxtil A. Sampaio & Filhos que respondeu de imediato: "Eu também estou aqui a apoiar as empresas portuguesas. Fazemos muito negócio em Portugal".

 

Para este cliente da marca Suíça Fjallraven, ligada ao desporto e à vida ao ar livre, a têxtil de Santo Tirso, com dois prémios Best Product na Ispo, a maior feira de artigos de desporto do mundo, que começou este domingo em Munique, é um fornecedor já antigo e o made in Portugal "é seguramente uma boa aposta".

 

"Há alta qualidade em Portugal", disse também um cliente holandês da oldtrading de Famalicão. Aqui a relação é recente, iniciada em novembro, mas promete ser para durar porque este cliente está decidido a apostar na produção europeia. Mais à frente, em declarações aos jornalistas, Caldeira Cabral acabaria por referir os "elogios espontâneos e muito positivos dos clientes" como um bom indicador da forma como o mundo vê a produção dos têxteis lusos.

 

"Há hoje um reconhecimento grande da marca Portugal nos têxteis desportivos e noutras áreas. Há uma boa imagem e isso também cria valor", afirmou o ministro, sem se esquecer de referir que a indústria têxtil portuguesa fechou 2017 com um valor recorde nas exportações, acima dos 5,2 mil milhões de euros e que Portugal conseguiu uma quota de 37% entre os prémios Best Product do certame, às vezes com artigos de aparência simples como a malha Spacer de lã merino da A. Sampaio: leve, macia, com propriedades de regularização da temperatura corporal e um rácio peso/calor de alta competição na indústria têxtil.

Inovação com tradição

 

No conjunto, as 44 empresas portuguesas conseguiram 36 prémios, três dos quais são Best Product nas suas categorias e cinco entraram no top 10, a provar que "o sector soube dar a volta com inovação, qualidade, diferenciação", destaca Caldeira Cabral. " Soube acompanhar a evolução dos têxteis, com uma cadeia bem integrada e parcerias entre empresas, universidades, centros de investigação", acrescenta Paulo Melo, presidente da ATP - Associação da Indústria Têxtil e Vestuário de Portugal.

 

Mas se os têxteis têm cada vez mais alta tecnicidade e vocação global, também podem manter a tradição e traços de portugalidade, como mostra a António Falcão, que brinda os seus clientes, e também o ministro da Economia, com um pequeno galo de Barcelos, convicto de que esta "afirmação bairrista reforça a imagem da empresa".

 

No stand da Berg Outdoor, a marca de artigos de desporto e vida ao ar livre da Sonae, Caldeira Cabral ouviu, aliás, o diretor-geral explicar que a nova coleção já é 100% produzida em Portugal, nos têxteis, e integra produtos de alma lusa como o burel e a cortiça.

 

No Mapa Mundo, nada como Portugal

 

Aqui, os visitantes são convidados a preencher uma bandeirinha com o seu contacto e o destino de férias de sonho para colocar no mapa-mundo. No final da feira há um sorteio e haverá um vencedor que, este ano, pode ser o ministro da Economia. Se for o caso, ficará por perto, em Portugal, o destino que escolheu de imediato, por ser "a melhor escolha" e "caber num orçamento de150 euros".

 

Este sábado, também na Alemanha, o ministro português encontrou-se com empresários de diferentes sectores, para apresentar a evolução da economia portuguesa e tentar atrair investimentos para o país. Diz que em Munique como em Davos, onde esteve antes, encontrou "grande interesse pela economia portuguesa e em estudar opções de investimento".

 

Os sectores que estão a despertar mais interesse,neste momento, serão o das máquinas e produção metálica, automóvel e tecnologias da informação.

Partilhar