NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

O lucro consolidado do grupo cresceu 17% face a 2018. Para isso contribui também os resultados do negócio segurador e os resultados em operações financeiras.

Os resultados líquidos do Crédito Agrícola cresceram 17% em 2019 face aos obtidos em 2018. A rentabilidade dos fundos próprios (ROE) foi de 7,8%.

 

Para o crescimento dos mesmos contribuiu não só o aumento do negócio bancário cujos lucros cresceram 7 milhões de euros face a 2018 (6,9%), como o contributo do negócio segurador no montante de 13, 5 milhões, assim como os ganhos obtidos com venda de dívida pública (resultado em operações financeiras) no valor de 54 milhões o que significou um aumento de 122% face a 2018.

 

O banco liderado por Lícinio Pina registou no ano passado um crescimento de 6,6% na concessão de crédito (termos brutos).

 

O crédito à habitação registou um aumento de 4,3%, e o crédito ao consumo subiu 5%. Já o crédito bruto concedido a empresas e administração pública registou o maior aumento na casa dos 10%.

 

O rácio de crédito não produtivo (NPL) recuou de 11% em 2018 para 9,2% em 2019, segundo revela o comunicado do grupo enviado ás redações.

 

Os recursos totais de clientes registaram uma subida de 7,4% e os depósitos avançaram 9,6% face a 2018.

 

A margem financeira derrapou 2,1%, as comissões liquidas subiram 6,6%. Segundo o comunicado do grupo, os custos de estrutura subiram 4,4%, devido "ao aumento de custos relacionados com a aposta tecnológica e de capacitação do grupo" de modo a responder vás necessidades dos clientes.

Partilhar