NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

A TAP, que há algumas semanas anunciou no seu website a retoma este mês dos voos entre Lisboa e Luanda especificando que a partir de ontem, 9 de Setembro, teria quatro voos por semana, declarou agência Lusa, através de “uma fonte”, que retomará esses “logo que sejam levantadas as restrições motivadas pela pandemia”.

Em resposta a questões colocadas pela agência Lusa, a mesma fonte disse que a companhia aérea está preparada para retomar os voos entre Portugal e Angola logo que sejam levantadas as restrições motivadas pela pandemia e cumprindo com todos os requisitos que forem impostos pelas autoridades”, como não poderia deixar de ser.

"

A notícia da Lusa refere-se aos voos de/para Angola que a companhia portuguesa efectuou nos últimos meses vários para repatriamentos e acrescenta que a fonte da TAP adiantou que a empresa "tenciona reiniciar a sua operação regular para Angola com quatro voos por semana entre Lisboa e Luanda".

 

“O plano de retoma de operações da TAP será ajustado sempre que as circunstâncias o exijam, face à dinâmica das imposições e restrições dos vários países e mercados, em virtude da evolução da pandemia, bem como da procura”, concluiu ainda a fonte da companhia aérea.

 

O Governo angolano anunciou na terça-feira que vai reabrir o espaço aéreo a voos internacionais a partir de 21 de setembro (clique para ler: Angola reabre espaço aéreo a voos internacionais a 21 de setembro) e a voos domésticos a partir de 14 de setembro, deixando de ser necessária autorização para entrar no país.

 

O anúncio foi feito pelo ministro de Estado e chefe da Casa Civil do Presidente da República, Adão de Almeida, que atualizou as medidas que vão vigorar a partir de quarta-feira no âmbito de um novo decreto presidencial, depois de uma reavaliação da situação epidemiológica.

 

“Pretende-se, de acordo com a programação, começar com voos regulares, não ainda comerciais no sentido estricto da palavra, a partir de 14 de setembro para voos domésticos e internacionais a partir de 21 de setembro”, dispensando-se autorização formal das autoridades angolanas desde que se faça um teste de despistagem da covid-19 pré-embarque, anunciou.

 

Segundo Adão de Almeida, permanece o princípio da existência da cerca sanitária em território angolano, mas algumas categorias de cidadãos passam a fazer parte das excepções dos que podem entrar e sair do território nacional, nomeadamente cidadãos angolanos e estrangeiros residentes, bem como profissionais estrangeiros que prestam serviço em Angola e estrangeiros portadores de visto de trabalho.

 

As novas regras “visam permitir criar um espaço maior para que alguns cidadãos possam regressar com menos constrangimentos”, justificou.

 

Cidadãos nacionais e residentes em território angolano, bem como os não residentes, estão sujeitos ao princípio da quarentena domiciliar.

 

Também são consideradas excepções, as viagens oficiais de responsáveis angolanos para o exterior ou a entrada de delegações estrangeiras, complementou Adão de Almeida.

 

Continua a ser necessário assinar um termo de responsabilidade e podem ser aplicadas multas de 150 a 250 mil kwanzas (206 a 343 euros) para quem violar as normas.

 

Angola fechou as suas fronteiras aéreas em 20 de março.

 

O país conta atualmente com 3.033 casos de covid-19, incluindo 124 óbitos.

Partilhar