NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

Com o crescimento do comércio electrónico e o aumento da população mundial para 11 mil milhões até 2050, a EY prevê que o volume de encomendas quadruplique até lá. Perante este cenário, as empresas devem começar desde já a avaliar o que podem mudar e quais as alterações necessárias para que continuem capazes de responder às exigências de consumo.

No âmbito da terceira edição do relatório “Beyond – Portugal Digital Transformation”, a EY Portugal revela seis linhas orientadoras para o sector dos Transportes e Logística:

 

1 – Qual o impacto da crescente incerteza global no sector? Segundo a EY, a disrupção na cadeia de distribuição global deverá resultar em custos e perdas na ordem dos 56 mil milhões de euros, apenas na Europa. A crescente turbulência económica, o proteccionismo e a instabilidade geopolítica estão a forçar os players de transportes e logística a adoptar novos modelos de negócio e a estabelecer novas alianças;

 

2 – Que oportunidades e desafios são criados pela crescente urbanização? O surgimento das chamadas megacidades apresentam aos operadores de transporte e logística novos desafios, incluindo o congestionamento de tráfego, dificuldades de loading/unloading e a last-mile delivery, entre outros;

 

3 – A digitalização é uma tendência ou uma força instalada? As tecnologias digitais vão transformar os vários sectores, uma vez que permitem novas formas de sinergias locais e eficiência a nível global. Por outro lado, também contribuirão para aumentar as expectativas dos clientes e os desafios de segurança. Segundo a EY, a digitalização redefine a supply chain a partir do cliente no centro;

 

4 – Qual o papel da colaboração na inovação tecnológica? A disrupção dos modelos de negócio tradicionais já não é exclusiva de startups. Prevê-se um crescente grau de integração horizontal e vertical na cadeia de valor, bem como redes de transportes optimizadas em tempo real;

 

5 – Quais serão as competências chave do talento do futuro? As novas tecnologias requerem um conjunto específico de competências e conhecimentos, nomeadamente big data, robótica e design thinking. Como consequência, a EY antecipa um aumento dos custos de atracção e retenção de talento com estas competências;

 

6 – Como garantir sustentabilidade e transparência em todo o ecossistema? Os intervenientes do vasto espaço de mobilidade, incluindo consumidores, accionistas e entidades governamentais, valorizam cada vez mais novas práticas inerentes ao sector, incluindo sustentabilidade, condições laborais e compliance ambiental. Ajustes nos modelos de negócio e articulação na supply chain irão recfletir estas exigências, garante a EY.

Partilhar