NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

A principal companhia aérea do Irão, a Iran Air, anunciou hoje que todas as ligações à Europa foram canceladas devido ao surto do novo coronavírus, que já causou 194 mortos no país.

"Devido às restrições impostas pelos países europeus, todos os voos da Iran Air para destinos europeus ficam suspensos até um novo aviso", pode ler-se num comunicado publicado hoje no 'site' da companhia, citado pela agência Efe.

 

A empresa, que operava voos para 14 destinos europeus, indicou que mantém consultas para tentar levantar as restrições e poder reativar as ligações.

 

Devido à extensão do coronavírus no Irão, os países vizinhos fecharam as suas fronteiras e a maioria das companhias áreas internacionais suspenderam os seus voos ao país, cuja companhia aérea de bandeira também foi afetada.

 

A Suécia já tinha anunciado, por exemplo, há uma semana a suspensão temporária dos voos com o Irão, uma medida que afetava os seis voos semanais que ligam Gotemburgo e Estocolmo com Teerão.

 

Relativamente às fronteiras, uma das poucas passagens que foi reaberta ao trânsito de mercadorias, a de Mehran, na fronteira com o Iraque, foi encerrada durante pelo menos uma semana por decisão das autoridades iraquianas.

 

O Ministério da Saúde iraniano informou que nas últimas 24 horas se confirmaram 743 novos casos de infeção pelo novo coronavírus, 49 dos quais morreram, elevando o número global de contágios em todo o país a 6.566 pessoas, das quais 2.134 recuperaram.

 

O Irão mantém as escolas e as universidades encerradas e suspendeu todos os eventos culturais, desportivos e religiosos.

 

O Instituto Nacional de Investigação Médica do Irão informou também hoje que foi criado um comité, integrado por 18 especialistas, para dirigir o diagnóstico e o tratamento do Covid-19.

 

O Irão recebeu ajuda médica internacional para controlar a epidemia, mas as autoridades não deixam de recordar que a situação do país é mais delicada devido às sanções impostas pelos Estados Unidos em 2018, na sequência da retirada americana do acordo nuclear.

 

O ministro iraniano dos Negócios Estrangeiros, Mohamad Javad Zarif, criticou no sábado o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, dizendo que "está a endurecer maliciosamente as sanções ilegais dos Estados Unidos destinadas a gastar os recursos do Irão necessários para combater a Covid-19".

 

"O mundo já não pode permanecer em silêncio, já que o terrorismo económico dos Estados Unidos é substituído pelo seu terrorismo médico".

Partilhar