NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

Abdul Anis é a antítese do estereótipo do refugiado: recebe-nos de fato e gravata, num ambiente de escritório e num inglês fluente.

Chegou com a família a Portugal há quatro anos, depois de uma fuga atribulada da Síria da qual restam marcas, algumas físicas. Abdul foi vítima de traficantes, tal como muitos milhões de refugiados e o destino final nem sequer era Portugal.

 

“O destino era a Suécia. O bilhete estava marcado para Estocolmo, mas houve uma escala em Lisboa e tudo mudou”, afirma num tom irónico. Este engenheiro civil de formação garante que a família se “apaixonou” por Lisboa e que não teve “a sensação de ser um estranho”.

 

Abdul Anis trabalhou mais de 15 anos na área da gestão, no setor das exportações e importações, mas a guerra empurrou-o para fora do país. A ele, à mulher, ao filho e mais recentemente à sogra. Agora dedica-se de novo às exportações na Recheio com responsabilidade em novos mercados do Médio Oriente e de África para venda de produtos agrícolas, tendo conseguido entrar, para já, em sete países.

 

Abdul Anis integrou o projeto do Grupo Jerónimo Martins (JM) para formação e acolhimento de migrantes e refugiados para integração no mercado de trabalho. O projeto começou em 2014 e até à data já acolheu mais de 130 pessoas em ações de formação e capacitação. Só este ano já acolheu mais 28 refugiados.

 

Quando Abdul recebeu um e-mail para entregar o currículo pensou que “era uma piada. Não tomei aquela proposta como sendo séria. Surgiram-me uma série de perguntas: porquê eu? O que querem de mim?” Alguns dias depois recebeu mesmo um telefonema para integrar o programa do grupo que começou com aulas de português. Há seis meses que está no departamento de exportações.

 

Abdul Anis insiste várias vezes durante a entrevista que não quer mais apoios do Estado português. “Não podemos contar com os apoios do governo. Já têm muitos problemas. Temos de ser nós a encontrar trabalho. Não podemos ficar à espera que chegue um anjo com dinheiro na mão.” Agora, garante, “quero retribuir ao país que me acolheu”, através do “pagamento dos impostos e da contribuição para a Segurança Social”.

Partilhar