NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

O consumo de petróleo vai aumentar devido a área dos transportes, especialmente aviões, camiões e navios de carga, enquanto no caso dos carros haverá um declínio após 2025, de acordo com o documento "Perspectivas para a energia global de 2018".

A Agência Internacional de Energia alertou que a procura global de energia vai aumentar mais de 25% até 2040, exigindo mais investimento na produção de petróleo para evitar uma "crise de abastecimento" a médio prazo.

Na segunda-feira, a Agência Internacional de Energia (AIE) apresentou em Londres o relatório anual, no qual apontou que o aumento da procura virá das economias em desenvolvimento da Ásia, especialmente da Índia, que devem ultrapassar os Estados Unidos e a União Europeia (UE) em 2025 como os principais consumidores.

O consumo de petróleo vai aumentar devido a área dos transportes, especialmente aviões, camiões e navios de carga, enquanto no caso dos carros haverá um declínio após 2025, de acordo com o documento "Perspectivas para a energia global de 2018".

Apesar do avanço das fontes renováveis, o mundo está longe de atingir os objectivos contra a mudança climática, referiu a AIE.

A procura de combustíveis fósseis vai continuar a crescer globalmente nos próximos anos, que serão parcialmente cobertos pelo petróleo dos Estados Unidos, que vão tornar-se "no maior produtor mundial", em meados da próxima década, indicou a agência.

A AIE observou também que a liderança norte-americana na produção de petróleo e gás "vai exercer pressão" sobre os países produtores de petróleo convencionais, muitos deles membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), que "dependem das receitas das exportações para sustentar o desenvolvimento a nível nacional".

A agência advertiu que esses países produtores devem quase dobrar o investimento em extracção de petróleo a curto prazo, para evitar "uma escassez de oferta e uma escalada de preços", em meados da próxima década, dado que o petróleo dos EUA será insuficiente para alimentar a procura.

Partilhar