NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

Os líderes da Associação de Nações do Sudeste Asiático ultimaram este domingo uma posição comum, juntamente com outros seis países da Ásia-Pacífico, para a criação de um megatratado comercial que resultará no maior bloco económico do mundo.

O encontro da ASEEAN, que começou oficialmente na sexta-feira, 21 de junho, com os trabalhos preparatórios, acolheu os ministros da economia da ASEAN para discutir o projeto, promovido por Pequim, denominado Parceria Económica Regional (RCEP), que junta 16 estados na região da Ásia-Pacífico e que tem como objetivo fortalecer a influência da China nesta região, numa altura em que se agravam as disputas comerciais entre Pequim e Washington.

 

Para além dos países membros da ASEAN (Malásia, Indonésia, Brunei, Vietname, Camboja, Laos, Myanmar, Singapura, Tailândia e Filipinas) e da China, o acordo inclui ainda a Índia, Japão, Coreia do Sul, Austrália e Nova Zelândia, que, juntos, representam aproximadamente 40% do Produto Interno Bruto (PIB) mundial e quase metade da população do planeta.

 

O primeiro-ministro da Tailândia, Prayut Chan-ocha, assumiu, no seu discurso de encerramento do encontro, a responsabilidade pela unidade da ASEAN contra o protecionismo crescente em alguns países na economia mundial, uma alusão às políticas norte-americanas e à guerra comercial entre os EUA e a China.

 

Prayut observou que até o final do ano eles esperam finalizar o RCEP.

 

O bloco do Sudeste Asiático completou, até o momento, sete dos 20 pontos do RCEP, que começaram a ser negociados em 2012 e sofreram vários atrasos devido às discrepâncias entre os membros.

 

A ASEAN forma um bloco de 647 milhões de pessoas que aspira a aumentar o seu PIB combinado para 4,7 triliões em 2025 e tornar-se a quarta potência económica do mundo.

Partilhar