NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

O programa de Ação Cultural Externa (ACE) do Governo português prevê a realização de 1600 iniciativas, em 85 países, durante este ano. As comemorações dos 500 anos da primeira viagem de circum-navegação do navegador português Fernão de Magalhães será uma das ações em destaque.

O programa de Ação Cultural Externa (ACE), coordenado pelos ministérios dos Negócios Estrangeiros e da Cultura prevê a realização de 1600 iniciativas, em 85 países, durante este ano. Desse total, 829 iniciativas terão lugar na Europa, 264 no continente americano, 238 em África, 148 na Ásia e Oceânia, 40 no Médio Oriente e Magreb e outras 87 ainda sem indicação de área geográfica.


Apresentado recentemente em Lisboa pelos ministros dos Negócios Estrangeiros e da Cultura, respetivamente, Augusto Santos Silva e Graça Fonseca, o programa vai abranger áreas transversais como a literatura, artes performativas, artes visuais, apoios à presença em festivais, cinema, entre outras.


Nas ações previstas para 2019, para além das comemorações do quinto centenário da Viagem de Circum-Navegação de Fernão Magalhães, foram ainda assinaladas outras iniciativas relevantes, nomeadamente:
O Festival de Cultura Portuguesa na China e da Cultura Chinesa em Portugal, que celebra o 40° aniversário do estabelecimento de relações diplomáticas.


Portugal China e os 20 anos da entrega de Macau para a China; a participação de Portugal nas Feiras Internacionais do Livro de Leipzig e de Frankfurt, (Alemanha) e Feira Internacional do Livro de Sevilha (Espanha) para além da Feira Internacional do Livro Infantil de Bolonha (Itália); Feira Internacional do Livro de Bogotá (Colômbia) e Feira Internacional do Livro de Guadalajara (México); o centenário do nascimento de Sophia de Mello Breyner e os 100 anos das Relações Diplomáticas entre Portugal e Cuba.

Fernanda Heitor, diretora Geral do Gabinete de Estratégia, Planeamento e Avaliação Culturais; Augusto Santos Silva, ministro dos Negócios Estrangeiros; Graça Fonseca, ministra da Cultura; Luís Faro Ramos, presidente do Camões, Instituto da Cooperação e da Língua.

O PROGRAMA VAI ABRANGER ÁREAS TRANSVERSAIS COMO A LITERATURA, ARTES PERFORMATIVAS, ARTES VISUAIS, APOIOS À PRESENÇA EM FESTIVAIS, CINEMA, ENTRE OUTRAS.


Outros momentos especiais serão a participação de Portugal na Bienal de Veneza e as comemorações dos 200 anos da Aclamação de D. João VI como Rei do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves; do nascimento de D. Maria da Glória e da Independência do Brasil, com espetáculos, exposições e outras iniciativas. Na área do património, o destaque vai para o projeto de digitalização do acervo literário raro dos Gabinetes Portugueses de Leitura de Salvador, Recife e Belém do Pará, no Brasil.


De referir que o programa de Ação Cultural Externa (ACE) se enquadra na determinação expressa nas grandes opções do Plano para 2019 do Governo português no que concerne ao reforço em três áreas de atuação neste domínio: Promoção e internacionalização da Cultura e da Língua Portuguesa através de uma ação integrada entre vários atores (Camões, IP; AICEP; Ministério da Cultura; Turismo de Portugal) e com recurso a tecnologias de informação; Relações multilaterais - CPLP, UE, ONU, UNESCO e Relações bilaterais - países da América Latina, do Magrebe e da região da Ásia- Pacífico (China e índia).
A importância das comunidades portuguesas.


O importante papel que as comunidades portuguesas desempenham na ação cultural externa do país foi um aspeto salientado pela Ministra da Cultura no evento de apresentação do programa, considerando que são «os melhores embaixadores de Portugal», por permitirem a «quem vive fora do país que se sinta mais perto dele através das manifestações culturais».


Já para o ministro dos Negócios Estrangeiros, «o Plano Indicativo da Ação Cultural Externa é hoje uma iniciativa consolidada, que coordena as atividades das várias instâncias do Estado que têm a missão de projetar a cultura».


Augusto Santos Silva destacou também a denominada «geografia da ação internacional da cultura portuguesa», em que mais de 10 países alvos das iniciativas são africanos e «o dinamismo da projeção da cultura portuguesa na América Latina ena Ásia».


Recorde-se que em 2018, no âmbito do Plano da Ação Cultural Externa realizaram-se 1.927 iniciativas de 15 áreas distintas, em 83 países, entre as quais, 921 na Europa, 415 em África, 313 no continente americano, 180 na Ásia e Oceânia. Do universo das áreas disciplinares, as mais representadas foram a literatura com 18% do total e o cinema e audiovisual com 17%, seguindo-se património (14%) e língua (13%).


Os eventos que mais se destacaram foram a Feira do Livro de Guadalajara, no México, em que Portugal foi o convidado de honra; o Mês de Portugal, nos Estados Unidos, que coincidiu com as comemorações do 10 de junho; as celebrações do Ano Europeu do Património Cultural, dos 20 anos do Prémio Nobel da Literatura a José Saramago e dos 70 Anos da declaração dos Direitos Humanos.


De 2017 para 2018 assistiu-se a um aumento na ordem dos 20%, de 1.598 ações para 1.927, enquanto o número de países também aumentou, de 76 para 83.

Partilhar