NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

A “Call Tourism” vai beneficiar projetos nas áreas da desmaterialização de processos e serviços, da reciclagem, reutilização e redução de resíduos, da integração de energias limpas, da eficiência energética, da eficiência hídrica e da mobilidade inteligente.

A Portugal Ventures e o Turismo de Portugal assinaram uma parceria para investir em 10 milhões de euros projetos tecnológicos e não tecnológicos do setor.

 

A “Call Tourism” surge com o objetivo de impulsionar a retoma do setor turístico nacional, que viu a sua atividade reduzir-se drasticamente durante a pandemia. A iniciativa vem então identificar oportunidades de investimento em projetos, que contribuam para a competitividade da oferta turística do país, que melhorem a experiência do turista em Portugal ou que promovam a eficiência das empresas do setor.

 

De acordo com a nota divulgada, esta quarta-feira, são elegíveis projetos de empresas localizadas em Portugal, que contribuam para os benefícios associados aos  Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU. As candidaturas estão abertas até 8 de janeiro de 2021.

 

A “Call Tourism” vai beneficiar projetos que apresentem soluções e promovam valores associados à: desmaterialização de processos e serviços, a reciclagem, reutilização e redução de resíduos (recicláveis e bio resíduos), a integração de energias limpas, a eficiência energética, a eficiência hídrica e a mobilidade Inteligente.

 

Para Rita Marques, secretária de Estado do Turismo, esta é mais uma iniciativa para “dinamizar projetos inovadores”. “O novo normal que nos foi imposto mostra a importância da inovação e do desenvolvimento de novas soluções, num setor que tem mostrado a sua resiliência e capacidade de reinvenção”, acrescentou.

 

Nas duas anteriores edições da Call Tourism, foram recebidas 145 candidaturas, tendo a Portugal Ventures investido em 10 projetos – XLR8, TryPortugal, Oliófora, X-Plora, Refundit, Tripwix, Azores Touch, Homeit, LUGGit e Fülhaus – num montante total de 6,3 milhões de euros.

Partilhar