NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

A consultora portuguesa AskBlue prevê crescer 30% em volume de negócios em 2018 e planeia dar este ano os primeiros passos no mercado internacional.

A portuguesa AskBlue, consultora de negócio e tecnológica, prevê crescer perto de 30% e atingir receitas de seis milhões de euros em 2018, ano em que vai dar os primeiros passos no mercado internacional. Pedro Nicolau, presidente executivo da consultora, afirmou, em entrevista ao Dinheiro Vivo, que o Centro e Norte da Europa são o foco da AskBlue na internacionalização, não excluindo a abertura de um escritório no exterior, no futuro.

 

Depois de, em 2016, a consultora ter duplicado em número de colaboradores e volume de negócios – para os quatro milhões de euros -, o ano passado foi de melhoria da eficiência da companhia e de consolidação.

 

“O ano de 2017 foi um ano de consolidação. E, mesmo assim, foi um ano em que crescemos 20% e, preparamo-nos, para, em 2018, continuar a crescer em volume de negócios e número de pessoas”, afirmou em entrevista ao Dinheiro Vivo. “

 

Temos boas perspetivas para 2018. O mês de janeiro foi o melhor mês da companhia em termos de volume de negócios. O nosso objetivo é chegar aos seis milhões de euros em 2018. Eu diria que, pelo que se viu em janeiro, não será um objetivo muito difícil”, disse.

 

A AskBlue fechou 2017 com um volume de negócios de cerca de 4,7 milhões de euros e 130 colaboradores. A consultora criada em 2013 por quatro sócios – Pedro Nicolau, Sofia Bastos Santos, Rui Couto e Ana Rosado-, emprega atualmente cerca de 150 colaboradores e tem resultados positivos desde o ano de 2014. Além de fornecer serviços de consultoria de negócio e tecnológica também fornece outsourcing especializado, sendo esta a área que mais contribui para a faturação da AskBlue.

 

Internacionalização

 

O ano de 2018 será marcado pelo avanço para outros mercados. “Este ano vamos dar os primeiros passos e queremos fazer já alguns projetos no mercado internacional e em 2019 vamos com certeza desenvolver o mercado internacional”, disse Pedro Nicolau.

 

A internacionalização será feita de mão dada com parceiros mas também com a oferta da própria consultora, que conta com parcerias com companhias de relevo, como a Computer Associates, Workfusion e a portuguesa OutSystems. A consultora tem em três dos seus fundadores a experiência passada no setor da consultoria. No caso de Pedro Nicolau, passou pela Deloitte e pela Reditus Consulting.

 

A AskBlue conta com cerca de 20 clientes, sobretudo no setor financeiro, com destaque para um projeto que desenvolveu para o Banco CTT. No entanto, alargou a sua área de atividade e conta agora com clientes na área da distribuição e saúde, além do setor segurador e administração pública.

 

“A evolução neste ano que passou deu-se no alargamento a outros setores e a outros clientes, e no crescimento registado, em pessoas, parcerias e projetos. E a manutenção de uma excelente taxa de retenção dos membros da equipa AskBlue, um facto pouco comum no setor”, afirmou o mesmo responsável.

 

Já teve interessados em adquirir a companhia, mas o objetivo da AskBlue é continuar a ‘solo’.

 

“Acabámos por não mostrar interesse (em ser adquiridos) porque achamos que estamos bem sozinhos, conseguimos crescer sozinhos e é importante ter empresas portuguesas neste setor”, disse Pedro Nicolau.

Partilhar