NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

As relações entre Portugal e Moçambique estão num momento muito positivo, disse hoje à Lusa o ministro adjunto português da Economia, Pedro Siza Vieira, durante a inauguração da principal feira de atividades económicas moçambicana.

"As relações estão num momento muito positivo: as visitas recentes do Presidente Nyusi a Portugal e de representantes portugueses a Moçambique têm permitido a celebração de um conjunto de instrumentos de cooperação muito importantes", referiu.

 

A ilustrar o bom momento esteve a saudação de hoje entre o presidente moçambicano, Filipe Nyusi, e o ministro português, quando o chefe de Estado chegou ao pavilhão internacional em que se encontram as empresas portuguesas na Feira Agropecuária, Comercial e Industrial de Moçambique (FACIM).

 

Nyusi percorreu os corredores e conversou com os representantes de cada empresa sob um forte aparato mediático e de segurança.

 

Portugal apoia "os esforços que o governo de Moçambique está a fazer, quer no sentido do desenvolvimento económico, quer no sentido da pacificação", referiu Pedro Siza Vieira à Lusa, numa alusão ao Acordo de Paz assinado a 06 de agosto entre o chefe de Estado, Filipe Nyusi, e o líder da Resistência Nacional Moçambicana (Renamo), Ossufo Momade.

 

"Portugal está sempre ao lado de Moçambique e sempre apoiará o desenvolvimento deste país irmão", rematou.

 

A representação do Governo português na FACIM é um hábito, dada a relevância das empresas portuguesas em solo moçambicano, justificou, tanto mais numa altura em que a criação de riqueza no país deverá ser catapultada para níveis inéditos, na próxima década, com o início da extração de gás natural na bacia do Rovuma, norte de Moçambique, dentro de três anos.

 

Já há empresas portuguesas nos trabalhos em curso, por exemplo, na construção de infraestruturas, presença a partir da qual se tenta "o mais possível" que outras firmas lusas "possam participar depois na cadeia de valor e de fornecimento desses projetos de investimento", referiu Pedro Siza Vieira.

 

"A Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP) tem feito um trabalho importante em familiarizar as empresas portuguesas com os de negócios nos grandes projetos", acrescentou.

 

O ministro adjunto português da Economia acredita os investimentos ligados ao gás natural são de tamanha dimensão "que têm lugar para todos" - as petrolíferas que lideram os empreendimentos preveem investimentos de cerca de 50 mil milhões de dólares que vão colocar Moçambique entre os 10 principais fornecedores de gás do mundo.

 

"E aquilo que sabemos também é que o conhecimento que Portugal tem deste mercado e a capacidade que as empresas portuguesas têm, dada a presença de décadas neste pais, fazem com que sejam participantes importantes do que se venha a passar em Moçambique", sublinhou.

 

Entre 2017 e 2018 as exportações de bens e serviços de Portugal para Moçambique cresceram 5,4% para cerca de 352 milhões de euros.

 

Mas, no mesmo período, as importações (produtos e serviços que Portugal comprou a Moçambique) caíram 12,7% para cerca de 78 milhões de euros.

 

Este ano, o primeiro quadrimestre deu sinais positivos nos dois sentidos da troca de bens em relação ao mesmo período de 2018, com as exportações de bens de Portugal para Moçambique a aumentarem 2,4% para 55 milhões de euros no período, enquanto as importações subiram 56% para 12 milhões de euros.

 

Máquinas, aparelhos, químicos e produtos alimentares representam mais de metade do que Portugal fornece, enquanto que os crustáceos e açucares correspondem a 76% das compras a Moçambique.

Partilhar