NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

O município de Chaves vai aplicar cerca de 830 mil euros em dois projectos que visam prolongar a ecovia transfronteiriça do Tâmega e promover e valorizar a oferta dos balneários termais do concelho.

O presidente da Câmara de Chaves, Nuno Vaz, disse que os dois projectos representam um investimento de cerca de 830 mil euros, com um incentivo de 510 mil euros do programa Valorizar, do Turismo de Portugal.

 

O autarca explicou que o projecto da ecovia do Tâmega corresponde a uma terceira fase, que visa ligar Vidago a Vila Pouca de Aguiar, representa um investimento de 430 mil euros e tem conclusão prevista para antes do Verão de 2021.

 

Construído está já o troço entre Verín (Espanha) e Chaves e está em execução a ligação entre Chaves e Vidago. O autarca destacou o potencial turístico desta ecovia para passeios a pé ou de bicicleta, que tem um troço significativo junto ao rio Tâmega e ocupa também parte da desactivada linha ferroviária do Corgo.

 

“A ideia é criar uma ecopista que tenha capacidade de atrair e valorizar ainda mais este território. Pretende-se dar visibilidade ao património natural e edificado e é, ela própria, um incentivo ao aparecimento de novos projectos”, salientou. Ou seja, o autarca acredita que possa alavancar novos projectos turísticos privados que possam até recuperar algum do edificado ligado à linha férrea que está, neste momento, degradado. “Não estando concluída, a ecovia tem tido uma utilização muito intensa”, frisou Nuno Vaz.

 

A Ecovia Internacional do Tâmega e do Corgo faz parte de uma estratégia comum que pretende concluir esta via entre Chaves e Peso da Régua, ligando Vila Pouca de Aguiar, Vila Real e Santa Marta de Penaguião.

 

O segundo projecto, designado “As CHAVES do Futuro Sustentável”, é promovido pela empresa Gestão de Equipamentos do Município de Chaves (GEMC), responsável pela gestão dos balneários termais de Chaves e Vidago.

 

Com esta iniciativa pretende-se, segundo Nuno Vaz, “promover e valorizar a oferta termal dos balneários”.

 

Inclui ainda a requalificação de um espaço do balneário de Chaves para a criação de um local de exposição e venda de produtos dermocosméticos, que “têm vindo a ganhar relevância no âmbito da actividade desta empresa municipal”, bem como de outros produtos locais.

 

Este projecto representa um investimento global de 405 mil euros. Os contratos de financiamento entre o Turismo de Portugal, o município e a GEMC foram assinados hoje na cidade do distrito de Vila Real.

Partilhar