NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

O sector do alojamento turístico registou 2,6 milhões de hóspedes e 6,5 milhões de dormidas em Maio de 2019, o que significa um aumento de 7,7% e 3,9%. As dormidas de residentes cresceram 8,6% e as de não residentes aumentaram 2,5% .

Segundo os dados divulgados hoje pelo INE - Instituto Nacional de Estatística, a actividade turística em Maio continuou em crescimento mas com menor intensidade em relação ao mês anterior.

 

No mês em análise, a estada média (2,51 noites) reduziu-se 3,5% (+1,0% nos residentes e -5,0% nos não residentes). A taxa líquida de ocupação-cama (50,4%) recuou 1,1 p.p. (+1,8 p.p. em Abril).

 

Os proveitos totais aumentaram 6,2% (+10,1% em Abril; +6,7% no período acumulado até maio), atingindo 398,9 milhões de euros. Os proveitos de aposento (295,7 milhões de euros) cresceram 5,9% (+11,0% em Abril; +6,2% de Janeiro a Maio).

 

O relatório do INE indica ainda que as dormidas na hotelaria (84,2% do total) registaram um aumento de 2,2% em Maio. As dormidas nos estabelecimentos de alojamento local (13,4% do total) cresceram 17,2% e as de turismo no espaço rural e de habitação (2,4% do total) apresentaram um ligeiro aumento de 0,4%.

 

Nos primeiros cinco meses de 2019, as dormidas na hotelaria (84,6% do total) registaram um aumento de 3,0%, inferior aos demais segmentos: +12,1% no alojamento local (quota de 13,2%) e +5,3% no turismo no espaço rural/de habitação (que representou 2,2% do total). Os estabelecimentos designados como hostel representaram 23,1% das dormidas em alojamento local e 3,0% das dormidas totais, no período acumulado até maio.

 

De onde vieram

 

Os dezasseis principais mercados emissores representaram 86,9% das dormidas de não residentes nos estabelecimentos de alojamento turístico em Maio. O mercado britânico (21,1% do total das dormidas de não residentes em Maio) cresceu 1,4% neste mês e 2,5% no conjunto dos cinco primeiros meses do ano. As dormidas de hóspedes alemães (12,1% do total) diminuíram 12,4% em maio e 7,3% desde o início do ano. O mercado francês (11,2% do total) registou um decréscimo de 4,8% em maio. Desde o início do ano, este mercado recuou 2,4%. Quanto a Espanha (7,4% do total), evidenciou-se com um crescimento de 24,5% em maio. No conjunto dos cinco primeiros meses do ano, este mercado cresceu 9,4%. O mercado brasileiro (5,9% do total) cresceu 10,5% em maio e 9,0% desde o início do ano. São também de salientar os aumentos em maio nos mercados polaco (+15,5%), norte americano (+15,3%), canadiano (+14,9%) e chinês (+14,1%).

 

Desde o início do ano, destacaram-se os crescimentos verificados nos mercados norte americano (+20,8%), chinês (+17,1%) e canadiano (+16,8%).

 

Dormidas de residentes cresceram em todas as regiões

 

Em Maio, registaram-se aumentos das dormidas em todas as regiões com excepção da RA Madeira (-3,8%). O Alentejo e o Norte destacaram-se com crescimentos de 10,5% e 9,9%, respectivamente. O Algarve concentrou 30,8% das dormidas registadas no país neste mês, secundado pela AM Lisboa (quota de 26,6%). Neste mês houve um incremento de 245,1 mil dormidas (face a igual mês do ano anterior), do qual 41,5% foi registado na AM Lisboa (101,7 mil dormidas adicionais) e 36,5% no Norte (mais 89,4 mil dormidas). No conjunto dos cinco primeiros meses do ano salientaram-se o Alentejo (+12,5%) e o Norte (+8,2%).

 

A estada média nos estabelecimentos de alojamento turístico (2,51 noites) reduziu-se 3,5%. A estada média dos residentes cresceu 1,0% enquanto a dos não residentes recuou 5,0%. Neste mês, o Alentejo destacou-se com um crescimento de 2,4% neste indicador. Na RA Madeira e no Algarve as estadas médias atingiram 4, 75 e 3,83 noites, respectivamente, mas com reduções (-3,7% e -6,5%, pela mesma ordem).

 

O INE avança ainda que os proveitos registados nos estabelecimentos de alojamento turístico atingiram 398,9 milhões de euros no total e 295,7 milhões de euros relativamente a aposento, em Maio, traduzindo-se em crescimentos de 6,2% e 5,9%, respectivamente (+10,1% e +11,0% em Abril, pela mesma ordem).

Partilhar