NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

Na zona do Alqueva, estão a aquecer as reservas dos portugueses em hotéis rurais ou casas com piscina, sobretudo para estadias longas levando a família toda. Para a próxima semana, com feriados, muitos já estão com ocupações superiores a 70%.

O Alentejo está a ser alvo de uma procura fora do habitual por parte dos portugueses, que se estão a 'mexer' para reservar férias nestes tempos incertos de pandemia, em que o cenário mais provável é o de 'ir para fora cá dentro'. O facto de ser uma zona 'limpa', e que se destacou no país por ter menos casos de coronavírus, está a pesar no maior interesse pelo Alentejo por parte dos turistas domésticos, que agora estão a fazer reservas na região por períodos mais longos.

 

A zona junto ao Lago do Alqueva está a ser a mais disputada, pela proximidade da água e pelo ambiente de tranquilidade, para reservas de turismos rurais ou de casas com piscina. Numa extensa propriedade com zonas exteriores, e com o foco em experiências náuticas no Alqueva, o hotel da Herdade dos Delgados, em Mourão, prepara-se para reabrir esta sexta-feira, 5 de junho, após ter encerrado em março, e para a próxima semana está com a ocupação a bater os 70%, e com preços a partir de €195 por noite.

 

"Nestes dias tão distintos, estamos a ter um volume de reservas muito significativo e na próxima semana, que tem feriados, está praticamente cheio. Está a haver uma grande procura pelo Alentejo, e em particular por localizações mais isoladas", adianta Rita Pereira, responsável de desenvolvimento estratégico da Amazing Evolution, que passou a gerir a Herdade dos Delgados.

 

As reservas para estadias mais longas, e para grupos extensos de famílias como se fazia antigamente, é uma das alterações de fundo que se está agora a verificar no Alentejo.

 

"Temos famílias inteiras a fazer reservas, o que inclui os pais, os filhos ou os avós. No fundo é o regresso à procura de férias para ter momentos em família, e agora também em isolamento", refere Rita Pereira, adiantando que, além do período imediato da reabertura, o hotel já conta com reservas para julho e agosto.

 

O facto de a ocupação estar alta está longe de ser crítico em termos de garantir distanciamento para o hotel em Mourão com 24 quartos e três apartamentos com acesso privado e jardins, que nesta altura são os mais procurados. "A nossa vantagem é que temos muito espaço no Alentejo, temos um grande espaço exterior, com piscina e solário, onde vamos conseguir espalhar as pessoas em distâncias seguras", garante a responsável, lembrando que o hotel está próximo da praia fluvial de Mourão. "No restaurante vamos usar muito esplanadas, e temos muitas atividades no exterior, campos de jogos que podem ser livremente utilizados além de bicicletas disponíveis para quem quiser explorar a herdade e a vila de Mourão".

 

"AS PESSOAS QUEREM MUITO SAIR DE CASA"

 

"Nestes dias, claramente está a haver uma grande procura pelo Alentejo devido a este tipo de atividades, e as pessoas aproveitam para fazer férias cá dentro. Até temos pessoas a perguntar se o 'wi fi' é de boa qualidade para poderem trabalhar", refere Rita Pereira.

 

A Herdade dos Delgados vai reabrir adotando novas medidas adaptadas aos tempos da covid-19, e com a certificação de 'Clean & Safe' do Turismo de Portugal. O hotel que integra a Dark Sky Alqueva lançou ainda mais atividades de natureza para a reabertura, designadamente uma experiência de observação de estrelas em céu escuro, a 11 e 13 de junho às 22 horas, aproveitando a semana dos feriados "onde se espera maior afluência". Serão duas noites dedicadas à observações de estrelas, com o apoio de um técnico e um telescópio, para os participantes poderem apreciar fenómenos de céu escuro.

 

"As pessoas procuram estar longe de grandes confusões e aglomerados, mas sobretudo o que nos transmitem é que querem muito sair de casa", frisa Rita Pereira. A Herdade dos Delgados está a promover-se como ficando "numa das zonas mais belas do Alentejo, com o Alqueva a perder de vista", sendo "uma região cómoda, sem grandes aglomerados populacionais o que permite desfrutar de uma estadia segura e descontraída".

 

Também os hotéis que o grupo Vila Galé tem no Alentejo e se preparam para abrir a 9 de junho já têm nesta altura ocupações de 70% para a próxima semana que é marcada pelos feriados. Os hotéis do grupo que vão reabrir na região, com medidas sanitárias reforçadas e o selo 'Clean & Safe', são o Vila Galé Clube de Campo no concelho de Beja, o hotel inserido na coudelaria de Alter-do-Chão que terá uma estreia absoluta (uma vez que foi finalizado já em plena crise da Covid-19, e nunca chegou a inaugurar), somando-se ao hotel do grupo em Évora, que permaneceu sempre aberto.

 

“Sim, notamos um elevado interesse e de reservas para as unidades do Alentejo que vamos abrir a 9 de junho", salienta Gonçalo Rebelo de Almeida, administrador do grupo Vila Galé, chamando a atenção para o facto de o hotel em Alter-do-Chão, na zona interior do Alentejo, estar "a despertar muita curiosidade, por ser um hotel novo na rede". A Vila Galé lançou uma campanha de verão para a reabertura dos hotéis, virada para os portugueses, em que as crianças até 14 anos ficam gratuitamente, havendo descontos para estadias superiores a sete noites.

 

"Para os feriados de junho, a ocupação nos hotéis Vila Galé no Alentejo está em cerca de 70%", adianta o administrador da Vila Galé, notando que o mesmo efeito de maior procura dos portugueses se está a fazer sentir em outras zonas do país igualmente recatadas e seguras, como a Serra da Estrela - onde tem outro hotel que finalizou, mas que foi 'apanhado na curva' pelo coronavírus, e que se prepara para reabrir. "O Vila Galé Serra da Estrela está completamente integrado na natureza e localizado num território de baixa densidade", o que nesta altura é tudo o que as pessoas procuram, conforme sublinha Gonçalo Rebelo de Almeida.

 

Fazendo uma ronda a pesquisar casas particulares com piscina no Alentejo, em plataformas como a Holidu, é possível ver que, sobretudo na zona do Alqueva, já não é fácil conseguir reservas para datas específicas em julho ou agosto, e muitas unidades já estão com a capacidade lotada para os meses do verão.

 

O volume de reservas acima do habitual no Alentejo nesta altura, e empurrado pelo surto do coronavírus, foi destacado por António Ceia da Silva, presidente entidade regional de turismo. Dando conta que os turismos rurais e pequenos hotéis no Alentejo estão a ser alvo de "um número muito significativo de reservas para o próximo verão", Ceia da Silva, entrevistado pela Rádio Portalegre, enfatizou ainda haver "um dado novo" associado aos turistas estarem a fazer reservas para 7 dias, quando a estada média na região não costumava ir além de dois dias.

 

O presidente da Turismo do Alentejo faz uma associação direta entre o pico de procura que está a haver do lado dos portugueses e a segurança oferecida pelo Alentejo, região que não foi muito afetada pelo surto. Afirmando-se preocupado com o futuro de micro-empresas da região dedicadas à atividade turística, como os restaurantes, devido ao impacto financeiro gerado pela crise do coronavírus, Ceia da Silva adiantou ter esperança que possa haver "uma boa retoma" no verão para o turismo no Alentejo, com a nova vaga de interesse demonstrada pelos portugueses.

Partilhar