NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

O Millenium bcp e a EY juntaram esforços no sentido de desenvolver um scoreboard que identifica e ordena setores económicos em função de quatro dimensões representativas da sua competitividade (desempenho setorial recente, relevância setorial atual, qualificação produtiva e económica e solidez financeira).

De modo a criar uma ferramenta essencial de autoavaliação do posicionamento das empresas, de mitigação de ameaças e de identificação de oportunidades de negócio.

 

As atividades económicas que apresentam o score mais elevado nesta primeira edição do scoreboard Millennium bcp - EY da competitividade setorial em Portugal pertencem ao setor da energia, em particular a eletricidade e os combustíveis. Contudo, destacam-se também as atividades promotoras da digitalização da economia (tecnologias da informação e comunicação), as atividades ligadas ao turismo (hotelaria, alojamento de curta duração) e as atividades ligadas ao imobiliário (construção, comercialização de imóveis, arrendamento imobiliário).

 

Em termos mais gerais, os resultados obtidos podem ser sumarizados em três pontos-chave. Em primeiro lugar, constata-se uma profunda mutação da competitividade setorial em Portugal, com as atividades mais revelantes a apresentarem um desempenho recente claramente diminuído e as atividades com um desempenho recente mais forte a demonstrarem, ainda, uma reduzida relevância. Verifica-se, assim, uma importante turbulência competitiva na economia portuguesa com impacto na sua especialização setorial, decorrente de impulsos conjunturais (e.g. expansão do turismo e do imobiliário), e de transformações estruturais (e.g. respostas à digitalização e ao envelhecimento da população).

 

Finalmente, os resultados do scoreboard apontam para a necessidade e a relevância da adoção de estratégias empresariais e de políticas públicas conducentes à promoção e consolidação da competitividade para enfrentar os riscos e desafios das transformações em curso. O potencial competitivo, aferido pela qualificação, dos setores com melhor desempenho recente tende a ser inferior ao dos setores ainda mais relevantes, mas em retrocesso no ranking global.

 

Neste sentido, estes desequilíbrios exigem a construção de respostas atempadas (em particular em matéria de planeamento e gestão dos relativos aos fundos europeus estruturais e de investimento) para “casar” as dinâmicas de investimento com os fatores de competitividade mais sólidos, as dinâmicas de inovação e os novos desafios que a sociedade enfrenta (e.g. alterações climáticas, digitalização, envelhecimento).

 

Nas próximas edições o scoreboard terá como objetivo a monotorização da evolução da performance e competitividade das atividades já avaliadas nesta primeira edição.

 

Mais informações aqui.

Partilhar