NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

Declaração foi feita este sábado, no Palácio da Bolsa, no Porto, pela Confraria do Vinho do Porto.

Gilberto Igrejas, presidente do Instituto dos Vinhos do Douro e Porto (IVDP), Luís Medeiros Vieira, secretário de Estado da Agricultura, e George Sandeman, chanceler da Confraria do Vinho do Porto, brindaram ao anúncio de que 2017 foi um ano vintage para o néctar.

 

"A declaração vintage tem um impacto direto no valor do vinho do Porto de 2017 e na imagem e prestígio que o produto continua a merecer", explicou Gilberto Igrejas, que calculou que o preço médio por garrafa daquele ano possa aumentar até "quatro ou cinco vezes" face a um ano normal.

 

Em 2018, as vendas de vinho do Porto valeram 360 milhões de euros. Este ano, ainda não há previsões quanto a vendas, mas "o turismo e o enoturismo continuam a contribuir para o crescimento do vinho do Porto e dos vinhos do Douro". De acordo com o presidente do IVDP, os mercados externos tradicionais continuam a ser responsáveis pelo grosso do negócio: Portugal, França e Reino Unido. Para o vinho do Porto, sublinhou Gilberto Igrejas, "o Brexit pode ser uma ameaça ou uma oportunidade para novos negócios do vinho do Porto", pelo que o IVDP acautelou os efeitos de um possível "hard Brexit" com o "registo dos DOC Douro e DOC Porto no Reino Unido".

 

Com as vindimas a começar (ou prestes a começar), 2019 será um ano de "aumento de 20% a 25% na produção, que, se a evolução enológica for estável, pode transformar-se também em grande qualidade".

Partilhar