NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

A um mês do final do ano, já nasceram praticamente o mesmo número de empresas em 2019 do que no mesmo período do ano passado. Até 30 de novembro deste ano nasceram 45 471 empresas, o que configura um mais que provável recorde de novas empresas em 2019.

Os setores dos Transportes e da Construção são os que mais contribuem para o crescimento da constituição de novas empresas. Estes dois setores são em conjunto responsáveis por mais de 90 por cento do crescimento das constituições. Nos Transportes já foram criadas este ano 4 068 novas empresas, mais 2098 que no período homólogo, o que corresponde a um crescimento de 106,5 por cento. O crescimento nos Transportes deve-se quase na totalidade às novas empresas registadas no subsetor do ‘Transporte ocasional de passageiros em veículos ligeiros’.

 

A Construção registou um crescimento de 28,4 por cento, com 5 013 empresas constituídas este ano, sobretudo nos subsetores da ‘Construção e promoção de edifícios’ e ‘Atividades especializadas’.

 

Atividades imobiliárias, Alojamento e restauração, Serviços gerais e Retalho são os quatro setores que registam menos constituições de empresas. No Alojamento e restauração, o recuo deve-se à quebra de novas empresas no subsetor do ‘Alojamento de curta duração’, já que a área da restauração mantém níveis semelhantes a 2018. Nos Serviços gerais, as empresas ligadas aos serviços turísticos são responsáveis pela quebra, com menos de metade das empresas que foram constituídas no ano passado.

  

Todos os setores registam menos encerramentos do que em 2018, com exceção da Agricultura e outros recursos naturais. No total dos setores, a descida de encerramentos é de 14,9 por cento face a 30 de novembro de 2018, com a maioria eles a registar descidas de dois dígitos.

 

Os novos processos de insolvência registam uma quebra de sete por cento. Apesar da tendência vir já desde 2013, tem-se tornado menos acentuada desde o segundo trimestre deste ano.

 

Este abrandamento da descida das novas insolvências deve-se ao setor das Indústrias, que regista uma subida desde o início do ano. Em 30 de novembro, este setor registou mais 17,9 por cento de novas insolvências do que em 2018, sobretudo nas empresas têxteis e metalúrgicas.

Consulte o Barómetro Informa D&B aqui.

Partilhar