NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

O Produto Interno Bruto (PIB) de Singapura registou contração de 2,2% em ritmo anual no primeiro trimestre devido à pandemia do novo coronavírus, o pior resultado desde a crise financeira de 2008, de acordo com as estatísticas publicadas nesta quinta-feira. Este é um indicador chave não apenas na Ásia, mas no mundo.

A economia de Singapura é frequentemente a primeira a dar sinais de fragilidade face a uma crise - mas também a primeira a registar recuperação. Segundo os dados agora revelados pelo ministério do Comércio local, na comparação com o trimestre anterior, recuou 10,6%, o que confirma os alertas que têm sido lançados.

 

Os confinamentos e outras medidas para evitar a propagação do novo coronavírus impostas por muitos países abalaram a economia mundial, que pode afundar num longo período de recessão, têm vindo a dizer vários analistas.

 

E a cidade-estado, que é simultaneamente uma plataforma aérea, um eixo comercial e um centro financeiro chave na Ásia, parece ser uma das primeiras a sofrer quando o comércio mundial paralisa. Antes da pandemia, Singapura estava já a acusar os efeitos da guerra comercial entre Estados Unidos e China.

 

Os dados do primeiro trimestres de Singapura representam a pior contração desde 2009, em plena crise financeira mundial, quando o país do sudeste asiático registou a sua última recessão. O ministério do Comércio reviu a projeção de queda anual do PIB para algo entre 1% e 4% (antes calculava um resultado entre -0,5% e -1,5%).

 

O ministério destaca um "grau de incerteza importante" sobre a gravidade e a duração da epidemia, mas considera provável o aumento do nível de risco.

 

Os dados trimestrais do PIB são ainda estimativas que o governo pode ser obrigado a atualizar.

 

Singapura adotou medidas drásticas para conter o vírus, proibindo o acesso ao território e aos não residentes, inclusive para o tráfego aéreo, esta semana. A cidade-estado regista 631 casos de pessoas infetadas pela COVID-19, e duas mortes.

Partilhar