NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

Questionado sobre se o grupo equaciona alienar mais ativos este ano, Nuno Marques admitiu que sim, mas que tudo depende das oportunidades.

O presidente executivo do grupo Visabeira, Nuno Marques, disse à Lusa que a empresa vai “olhar com muita atenção” para o mercado alemão este ano e admitiu a venda de ativos na área do imobiliário.

 

O grupo Visabeira vendeu no ano passado o Hospital de Nossa Senhora da Arrábida e das Residências Assistidas Porto Salus, por um montante de 22,8 milhões de euros, no âmbito da política de reorganização e racionalização dos seus recursos.

 

Questionado sobre se o grupo equaciona alienar mais ativos este ano, Nuno Marques admitiu que sim, mas que tudo depende das oportunidades.

 

“Há sempre boas oportunidades de negócio, quer para aquisições, quer para alienações”, afirmou.

 

“No mundo de negócios nunca podemos dizer que não estamos disponíveis para alienar, há alguns ativos não ‘core’ [que não são centrais]”, prosseguiu.

 

Pelo que “eu diria que sim, diretamente ligado à atividade imobiliária, nós temos claramente diversos ativos que são alienáveis dentro da nossa política de desinvestimento também na área imobiliária”, afirmou o gestor.

 

Relativamente a comprar, o presidente executivo do grupo Visabeira também admitiu essa possibilidade.

 

“Estamos sempre atentos a boas oportunidades, mas aí mais ligados à nossa área ‘core’ [central]. Na Europa, o nosso crescimento é muito crescimento orgânico”, pelo que “a resposta é sim, estamos preparados e estamos ativamente à procura de alguns ‘targets’ para adquirirmos em alguns países europeus”, apontou.

 

Questionado sobre que mercados, Nuno Marques afirmou: “Maioritariamente mercado alemão. Será o mercado onde vamos olhar com muita atenção durante o ano 2019”.

 

Sobre a entrada em novos mercados, o gestor disse que “há alguns países europeus” onde o grupo pode “potencialmente” entrar, talvez já não em 2019, “mas nos próximos anos”.

 

“Vamos reforçar a nossa presença nos países nórdicos. Luxemburgo também será uma possibilidade”, disse.

 

“Há alguns países onde naturalmente dada a nossa estratégia de crescimento no mercado europeu pretendemos entrar, mas estamos também muito concentrados em consolidar a presença que temos nos países onde estamos, até pelo importante volume de negócios que conquistámos” como também “pelos grandes projetos que temos neste momento em carteira e em mãos”, concluiu.

 

O grupo Visabeira tem 2.500 milhões de euros de volume de negócios garantido em contratos assinados na Europa até 2022, apenas na componente de prestação de serviços, sem incluir incorporação de materiais.

Partilhar