NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

É um aparelho de emergência para ser utilizado nas unidades de cuidados intensivos dos hospitais, que foi criado por voluntários no âmbito do movimento “Project Open Air”.

Um grupo de voluntários portugueses terminou a primeira fase de desenvolvimento de um ventilador de código aberto para as unidades de cuidados intensivos dos hospitais. Ou seja, os investigadores e engenheiros criaram um equipamento de emergência que pode ser produzido em qualquer geografia, com um valor de fabrico “muito inferior” ao do modelo padrão.

 

A ideia materializou-se com o contributo do Laboratório de Instrumentação e Física Experimental de Partículas, da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Nova, da Nova Medical School, do Instituto de Ciências Nucleares Aplicadas à Saúde, da Harvard University e de dois engenheiros portugueses que trabalham para equipas de Fórmula 1, como Pedro Pinheiro de Sousa.

 

“A grande mais-valia deste ventilador é que pode ser construído rapidamente com recurso a componentes baratos e de fácil acesso, o que significa que pode ser produzido em massa e em qualquer parte do mundo, a um baixo preço e com grande rapidez”, explicam os mentores do projeto, no âmbito do “Project Open Air”.

 

Os detalhes da iniciativa foram explicados no artigo científico “Proof-of-concept of a minimalist pressure-controlled emergency ventilator for Covid-19“, depois de a equipa ter realizado uma prova de conceito bem-sucedida e de a patente ter sido registada em nome da Humanidade, “para que nenhuma entidade possa retirar proveitos económicos desta inovação”, conforme segundo a informação divulgada esta quarta-feira pelas instituições envolvidas.

 

O movimento por trás do “Project Open Air” pretende criar soluções com escalabilidade para o combate à pandemia de Covid-19. O trabalho dos voluntários passa, por exemplo, pela recuperação de ventiladores antigos que não estão a ser usados, tecnologia para assistência remota à população, suporte logístico, aplicações móveis, entre outros.

Partilhar