NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

A CEO do Bankinter, Maria Dolores Dancausa, elogia todos os esforços feitos por Portugal para superar uma crise "difícil de superar", considerando o país "como um exemplo" para todos os outros.

A CEO do Bankinter, Maria Dolores Dancausa, elogia todos os esforços feitos por Portugal para superar uma crise "difícil de superar", considerando o país "como um exemplo" para todos os outros.

 

“Portugal está na moda”, afirma Maria Dolores Dancausa durante a apresentação dos resultados do Bankinter para o total do ano de 2017. A presidente executiva do banco espanhol não poupa elogios aos esforços de Portugal para colocar a economia novamente no caminho do crescimento, considerando o país um “exemplo para muitos países europeus”.

 

“O ano de 2017 foi absolutamente excelente para o Bankinter Portugal”, nota Maria Dolores Dancausa. A CEO do Bankinter refere que foram feitos “progressos importantes no processo de integração” em Portugal — depois de ter finalizado a compra dos negócios do Barclays –, mas também a nível da melhoria dos resultados.

 

De acordo com os resultados da instituição financeira, a operação portuguesa contribuiu positivamente com um lucro antes de impostos de 31,4 milhões de euros, o que representa um aumento em comparação com 7,7 milhões no ano anterior.

 

Esta melhoria acompanha a recuperação da economia portuguesa. “A economia, em geral, comportou-se muito bem. Teve um grande ano”, salienta a presidente executiva do banco espanhol. E faz vários elogios aos esforços feitos no país. “Em Portugal, foram capazes de superar uma crise económica difícil de superar e é um exemplo para muitos países”, relembrando que o ministro das Finanças, Mário Centeno, é agora presidente do Eurogrupo.

 

O Bankinter registou lucros recorde em 2017. Superou as estimativas dos analistas com um resultado líquido de 495 milhões de euros, 1% superior ao do ano anterior, de 490 milhões. O saldo do ano só não foi ainda mais positivo por causa do aumento dos custos em Portugal, tendo em conta que o banco liderado por Maria Dolores Dancausa só finalizou a compra da atividade do Barclays em território nacional em abril de 2016.

Partilhar