NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

Saúde, ciência, sociedade civil, educação e cultura são as cinco áreas abrangidas pelos auxílios, que envolvem apoios a artistas que viram projetos cancelados, a cientistas que estudam o vírus que causa a doença Covid-19 ou a entidades que ajudam idosos, por exemplo.

A Fundação Calouste Gulbenkian anunciou esta segunda-feira que aprovou a criação de um fundo de emergência no valor (inicial) 5 milhões de euros para apoiar cinco áreas em Portugal, nas quais a instituição está envolvida: saúde, ciência, sociedade civil, educação e cultura.

 

O conselho de administração da Calouste Gulbenkian decidiu avançar com este fundo, que está a receber contribuições de outros doadores, devido ao Estado de Emergência decretado para responder à propagação do novo coronavírus.

 

“Num momento de excecional gravidade, a Fundação Calouste Gulbenkian, fazendo jus à sua missão, reforça a sua atividade num contributo para combater uma pandemia que põe em causa a sociedade como sempre a conhecemos”, afirma Isabel Mota, presidente da Fundação Calouste Gulbenkian.

 

O auxílio financeiro servirá, por exemplo, para colmatar a falta de material de proteção (luvas, máscaras…) e equipamentos médicos; ajudar os profissionais de saúde a fazer diagnósticos da doença Covid-19; desenvolver aplicações móveis; financiar o Instituto Gulbenkian de Ciência (IGC) – que irá estudar o vírus SARS-Cov-2 para acelerar a produção de uma vacina; lançar um projeto de apoio a idosos; reforçar bolsas para estudantes ou apoiar artistas ou entidades de produção artística que viram os seus projetos cancelados.

 

Em relação à sociedade civil, a Calouste Gulbenkian esclarece que irá promover a flexibilização “às entidades beneficiárias, em todas as áreas, quanto ao planeamento dos projetos e à obtenção dos resultados, assegurando o pagamento nas datas acordadas, ou mesmo antecipando-o quando se justifique”.

 

A fundação adianta ainda, em comunicado divulgado esta tarde, que há iniciativas que estão a ser coordenadas com outras instituições e estruturas de investigação nacionais e estrangeiras.

Partilhar