NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

Uma fábrica de conservas de peixe da Póvoa de Varzim, distrito do Porto, teve de aumentar a sua produção para responder ao acréscimo de encomendas, resultante da preocupação com a pandemia de covid-19, mantendo em atividade os cerca de 250 funcionários.

Ao contrário de outros setores económicos, que têm sentido quebras nas vendas e dificuldades para laborar, a fábrica A Poveira, um dos maiores empregadores deste concelho nortenho, teve de se adaptar à maior procura do mercado e, ao mesmo tempo, às contingências provocadas pela covid-19, para manter a atividade a 100%.

 

"Desde o início do mês tivemos de aumentar a capacidade de resposta da produção, introduzindo mais um turno de trabalho para poder produzir mais e garantir todas as quantidades necessárias para servir os nossos clientes", explicou Sofia Brandão, diretora de marketing da empresa, à agência Lusa.

 

A responsável explicou sendo as conservas de peixe, nomeadamente de atum, sardinha ou cavala, "um bem não perecível", a procura por este produto "aumentou logo que as pessoas ficaram mais preocupados com esta situação da covid-19", precipitando "um aumento da procura dos clientes nacionais e internacionais, que entretanto foi estabilizando".

 

A responsável da fábrica A Poveira considerou que os planos de prevenção e adaptação feitos pela empresa, logo em fevereiro, foram "fundamentais para lidar com esta situação", nomeadamente ao "implementar um forte plano de segurança tendo em vista, em primeiro lugar, a proteção dos 250 trabalhadores".

 

"Felizmente ainda não tivemos nenhum caso contaminação entre os nossos trabalhadores. Temos um plano de contingência implementado para lidar com qualquer situação. Todos os colaboradores têm tido um comportamento exemplar e até de sacrifício, para todos os dias darem o seu máximo, e os nosso administradores reconhecem isto, estando na empresa logo às 05 da manhã, no primeiro turno, para agradecer o esforço", acrescentou Sofia Brandão.

 

Em termos logísticos, a empresas, que além de produzir para o mercado nacional tem muitas encomendas para Áustria, Polónia, Estado Unidos da América, Alemanha e Espanha, não tem sentido problemas com os transportes nem com a obtenção de matéria prima, nomeadamente atum, embora tendo já uma parte da produção em 'stock' para suprir eventuais constrangimentos.

 

A Poveira, que no ano passado teve um volume negócios superior a 24 milhões de euros, continua a ter previsto um investimento de mais 10 milhões para aumentar ampliar instalações e ampliar sua capacidade produtivo.

 

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou cerca de 540 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram perto de 25 mil.

 

Em Portugal, registaram-se 76 mortes, mais 16 do que na véspera (+26,7%), e 4.268 infeções confirmadas, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde, que identificou 724 novos casos em relação a quinta-feira (+20,4%).

 

Dos infetados, 354 estão internados, 71 dos quais em unidades de cuidados intensivos, e há 43 doentes que já recuperaram.

Partilhar