NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

A Fitch antecipa uma aceleração do crescimento da economia moçambicana devido aos grandes investimentos nos megaprojetos no setor das matérias-primas.

A consultora Fitch Solutions antecipa um crescimento da economia de Moçambique de 6,2% nos próximos dez anos, acima da média de 5,9% registada entre 2009 e 2018, devido aos grandes investimentos nos megaprojetos.

 

“Prevemos que o PIB cresça 6,2%, em média, entre 2019 e 2028, acima da média de 5,9% registada entre 2009 e 2018, com o crescimento económico a acelerar lentamente na próxima década devido ao fluxo de investimentos no setor das matérias-primas“, lê-se na análise que a consultora faz à próxima década em Moçambique.

 

De acordo com o relatório, enviado aos clientes e a que a Lusa teve acesso, estes investimentos “vão permitir que o país recupere do colapso no preço das matérias-primas e da suspensão do apoio orçamental por parte dos doadores“.

 

Para os consultores, esta alteração “vai fazer com que o consumo desça em percentagem do PIB, aumentando o investimento e as exportações líquidas”.

 

Na previsão de curto prazo, a Fitch Solutions mantém a estimativa de um crescimento de 1,4% este ano e de 3,8% em 2020, afetado pelos efeitos dos ciclones Idai e Kenneth.

 

No campo político, os analistas lembram a tensão entre a Frelimo e a Renamo e argumentam que apesar da crispação, “os ganhos obtidos desde o cessar-fogo assinado em dezembro de 2016 vão motivar os partidos a manterem o novo acordo pelo menos nos próximos dois anos”.

 

“No entanto, os riscos de um regresso à instabilidade mantêm-se elevados, particularmente devido às eleições de outubro, já que as eleições anteriores resultaram num pico de violência política”, acrescentam.

 

A Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo, no poder) deverá ganhar as eleições e manter a maioria no Parlamento, estima a Fitch, o que dará “continuidade às políticas”, concluem.

Partilhar