NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

Indústria têxtil lusa está a aproveitar o motor da América do Norte para crescer 1,1% no inicio do ano. Espanha voltou a subir, mas Alemanha e França estão a cair. E Portugal está a importar mais.

O mapa das exportações têxteis nacionais está instável, mas a fileira conseguiu fechar fevereiro a crescer 1,1%, nos 800 milhões de euros, puxada pela América do Norte onde registou saltos de 18% nos EUA e de 29,9% no Canadá, anunciou hoje a a ATP - Associação Têxtil e Vestuário de Portugal.

 

Na análise do desempenho do sector nos dois primeiros meses do ano, Paulo Melo, presidente da ATP, destaca o facto dos EUA terem sido "o destino com maior crescimento absoluto nas exportações têxteis nacionais". Em janeiro e fevereiro o mercado americano comprou mais 8,9 milhões de euros em Portugal, assumindo uma quota de 7% nas vendas totais ao exterior.

 

Espanha continua a ser o maior cliente das empresas lusas do sector têxtil e do vestuário, muito por força do grupo Inditex, e depois de alguns meses em quebra, no ano passado, fechou fevereiro a crescer 1% ou 2,4 milhões de euros. A quota do mercado espanhol, tradicionalmente acima dos 30%, está agora nos 29%, correspondentes a compras de 253 milhões de euros.

 

Itália mantém a tendência de alta, com uma subida de 3,4% (54 milhões de euros), mas França e Alemanha, no segundo e terceiro lugar no ranking dos maiores mercados das têxteis lusas, estão em quebra. As perdas em França são de 3% e na Alemanha chegam aos 5%.

 

Quando olha para os números dos dois primeiros meses do ano, Paulo Melo destaca, ainda, "um novo aumento exponencial das importações do sector", na ordem dos 13%. E neste caso os protagonistas em destaque são a China, com uma subida de 76,2% (29 milhões de euros), Espanha (7,7% ou 18,5 milhões de euros) e Paquistão (61,6% ou 9,9 milhões de euros).

 

Para a ATP, esta subida "indicia um bom momento no consumo no mercado português". O saldo da balança comercial da indústria têxtil e do vestuário nos dois primeiros meses do ano está, agora, nos 128,3 milhões de euros.

Partilhar