NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

O diretor da Startup Lisboa vê a Feedzai como o próximo possível unicórnio, mas salienta que mais do que as super avaliações, o que interessa são propostas de negócio consistentes.

Voltou a fazer-se história no mundo do empreendedorismo em Portugal, esta semana. A OutSystems cresceu e transformou-se num unicórnio, ao tornar-se na segunda empresa criada por portugueses a atingir a avaliação de mil milhões de dólares. A meta foi alcançada depois de garantir um investimento de 360 milhões da KKR e do Goldman Sachs. Mas há outra empresa bem encaminhada no sentido de se transformar na criatura mítica: a Feedzai. Esta é, pelo menos, a convicção de Miguel Fontes, diretor da Startup Lisboa. “Seria o meu palpite”.

 

“Diria que, se tivesse que arriscar num [nome para a startup que tem mais hipóteses de se tornar no próximo unicórnio em Portugal], arriscaria na Feedzai que teve origem em Coimbra e que levantou recentemente uma ronda de investimento já significativa [50 milhões] e que seria o meu palpite“, disse Miguel Fontes no ECO24.

 

Está, “provavelmente, em muito boas condições de ser o próximo unicórnio em Portugal“. Caso o palpite do diretor da incubadora criada há seis anos pelo município lisboeta esteja correto, a Feedzai tornar-se-ia assim no terceiro unicórnio de Portugal, seguindo-se à OutSystems e à Farfetch que, em 2015, se tornou no primeiro unicórnio criado por um fundador português, José Neves. Mas Miguel Fontes prefere relativizar a importância da transformação num unicórnio, dando enfoque à importância de outro animal referido na terminologia do empreendedorismo, não mítico, mas resistente: a barata.

 

“A teoria também foi evoluindo no sentido de que, mais do que super avaliações, o que interessa são propostas de negócio consistentes“, alerta, salientando que “muitos unicórnios conseguem crescer sem ter lucro ou rentabilidade operacional“.

 

Um problema de qualidade e volume de investimento

 

Apesar dos casos das startups portuguesas que se transformam em grandes sucessos, Miguel Fontes considera que existe um problema de investimento em Portugal. “Há um problema de qualidade e de volume de investimento”, diz. “Era fundamental haver mais investidores com outra capacidade de correrem riscos. E também um perfil diferente de investimento”, defende o diretor da Startup Lisboa, afirmando que os investidores portugueses ainda são relativamente avessos a arriscar.

 

“Cá, é manifestamente muito difícil qualquer investidor pôr um milhão de dólares ou um milhão de euros. Vive-se um paradoxo. Os investidores que temos exigem níveis de desempenho às startups como se elas já estivessem num estado de maturidade muito mais avançado, e elas precisam de investimento para crescer”, explica.

 

Miguel Fontes diz ainda que muitas vezes a tendência dos investidores nacionais é a de “olhar para uma startup como se de uma PME normal se tratasse”. “Não posso olhar para um plano de negócios de uma pequena e média empresa tradicional do mesmo modo que olho para uma startup”, justifica.

 

Como é que se tem resolvido isso? “Indo para fora. Os bons casos são aqueles que foram à procura dos investidores com a capacidade financeira, por um lado, e o mindset certo de correr riscos e de investir, por outro“, explica Miguel Fontes.

 

Web Summit não está esgotado

 

Miguel Fontes salienta o papel determinante que o Web Summit tem desempenhado para dar força às startups e para captar o capital tão necessário para as fazer evoluir. “Estamos hoje a ter um conjunto de investidores que começam pela primeira vez a olhar para Portugal“, diz, a propósito do impacto que a iniciativa que reúne startups de todo o mundo, e que veio para Portugal em 2016. “Os grandes grupos de investimento internacionais, nomeadamente os Venture Capitalists, estão a vir pela primeira vez a Lisboa com regularidade: vêm a eventos, conferências e, sobretudo, fazer contactos permanentes. Estamos a conseguir colocar o país no radar desses investidores”, acrescenta a esse propósito.

 

Num altura em que se aproxima o final do acordo de três anos de permanência do evento em Portugal [em novembro deste ano realiza-se a 3.ª edição do Web Summit no nosso país], Miguel Fontes diz que faz parte do grupo de pessoas que “acredita muito no valor que o Web Summit trouxe” para Portugal, não considerando que a iniciativa esteja esgotada, antes pelo contrário. “Acho que era importante ter a extensão contratual por mais dois anos porque, no fundo, é esse tempo que estamos a precisar para consolidar um conjunto de dinâmicas que estão em curso“, defende, acrescentando que “só quem não esteja dentro desse mundo é que não percebe o alto valor que o Web Summit traz”.

 

“Pela primeira vez estamos a ser descobertos pelo mundo. É falar com qualquer dos primeiros empreendedores, que tinham de vender soluções tecnológicas made in Portugal há dez ou 15 anos, e falar hoje. É completamente diferente, porque a perceção mudou”, diz, salientando que a saída do evento de Portugal, não sendo “nenhuma tragédia”, é negativa.

 

Beato é absolutamente estruturante

 

Quando questionado sobre os centros de desenvolvimento — como é o caso do Google, que se vai instalar em Oeiras –, que têm escolhido Portugal para se instalar, Miguel Fontes salienta que “é a sociedade que está a fazer essas escolhas” e que essas empresas vêm à procura de “talento”. “Hoje sabemos que é o talento que move as grandes organizações, as pequenas e as médias. Portugal tem muitos bons argumentos para atrair pessoas altamente qualificadas e que assumem como possibilidade ter aqui o seu projeto de vida”, justifica.

 

O Beato é outro dos locais onde os grandes grupos internacionais também querem estar presentes: casos como o da Mercedes-Benz, que pretende lá implementar um centro de inovação, ou da Factory Berlin, que planeia ter um espaço de cowork de 11.000 metros quadrados na zona oriental de Lisboa.

 

Miguel Fontes considera que o projeto do Beato, que deverá acolher os primeiros “moradores” até final deste ano, é “absolutamente estruturante” e “um espaço para que tudo aconteça”. “A ideia é desenvolver um hub empreendedor, criativo, que ponha em contacto diferentes valências: este mundo mais empreendedor ligado às startups, mas também o mundo mais tradicional das grandes empresas e das indústrias criativas. Porque acreditamos que é da soma dessas diferentes parcelas que o caminho se vai fazer”.

 

Estado deve ter uma estratégia de coinvestimento

 

Uma das questões abordadas na entrevista ao ECO24 foi a forte presença do Estado nas iniciativas de fomento ao empreendedorismo e às startups. Apesar de reconhecer essa realidade, Miguel Fontes não acredita que se trate de um contrassenso. “Sou dos que entende que o Estado deve deixar todo o espaço ao mercado, mas quando o mercado não é capaz de o preencher por completo, prefiro que haja investimento de origem pública do que não haja, pura e simplesmente, investimento”, diz a esse propósito.

 

Relativamente às iniciativas Portugal Ventures e Caixa Capital, salienta que foram “essenciais para garantir o arranque de alguns projetos em Portugal”, mas assegura que “gostaria de ver muito mais o setor privado a correr riscos e a ser capaz de olhar para o mundo da inovação e das startups de uma forma mais agressiva”, algo que diz ainda não acontecer.Neste âmbito, o responsável da Startup Lisboa diz que preferia que o papel de operadores como a Portugal Venture fosse sobretudo uma “estratégia de coinvestimento”. “Devemos canalizar os nossos recursos para atrair investidores privados e, aí sim, usando o dinheiro público para promover estratégias de coinvestimento“, defende.

Partilhar