NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

Um documento interno da farmacêutica nacional, a que o Jornal Económico teve acesso, considera que “é possível que venha a participar no desenvolvimento de medicamentos específicos para esta pandemia”.

A farmacêutica portuguesa Hovione admite estar na corrida à produção e comercialização de uma vacina contra o coronavírus, integrada num consórcio internacional. “O propósito da Hovione é o de trabalhar em benefício da saúde de todos, pelo que é possível que venha a participar no desenvolvimento de medicamentos específicos para esta pandemia. Por razões de confidencialidade, não poderemos, por ora, avançar com qualquer confirmação”, adianta um documnto interno da farmacêutica nacional, a que o Jornal Económico teve acesso.

 

“Em 1997, produzimos em grande escala do nosso primeiro antiviral Viracept, indicado para o tratamento do VIH/SIDA, e trabalhámos com três das quatro empresas que descobriram curas para a Hepatite C, uma doença de origem viral. Desde 2016, a Hovione contribuiu para o desenvolvimento do processo e da produção de 15 novos medicamentos de diferentes áreas clínicas, aprovados pela Food and Drug Administration (FDA) e pela European Medicines Agency (EMA), reguladores do setor nos EUA e Europa, o que nos dá uma grande satisfação”, disse Guy Villax, Administrador Delegado.

 

Sem querer referir especificamente, quer estas declarações de Guy Villax, quer o próprio comunicado da farmcêutica dão a entender que a Hovione está na corrida ao fabrico de uma nova vacina contra o coronavírus, prevendo-se que esteja integrada num consórcio internacional para o efeito.

 

“A Hovione trabalha desde sempre na investigação e desenvolvimento de medicamentos inovadores, tendo na sua história colaborado com as maiores empresas farmacêuticas do mundo e participado no desenvolvimento e produção de medicamentos que já curaram três milhões de doentes” destaca um comunicado da Hovione, destacando papel pioneiro da farmacêutica nacional e relembrando que a empresa “detém mais de 400 patentes registadas a nível mundial, preenchendo várias áreas clínicas”.

 

“Em Portugal a empresa é o maior empregador privado de doutorados”, conclui o referido documento.

 

Fundada em 1959, a multinacional Hovione tem hoje laboratórios e fábricas em Portugal, na Irlanda, em Macau e nos Estados Unidos da América.

 

A Hovione investiga e desenvolve novos processos químicos e produz princípios ativos para a indústria farmacêutica mundial.

 

Com sede em Loures, a empresa emprega 1.800 pessoas em todo o mundo, das quais cerca de 1.100 em Portugal.

 

A Hovione tem presentemente oito programas de doutoramento e oito de mestrado a decorrer na empresa.

 

A sua atividade de investigação e desenvolvimento em Portugal emprega 220 técnicos e cientistas.

Partilhar