NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

Após semanas de intensas negociações e da Suécia ter feito parte do grupo de países, a par da Áustria, Dinamarca e Holanda que rejeitava as condições inicialmente propostas, nomeadamente, a atribuição de avultadas somas apenas em forma de subsídios por parte da União Europeia, chegou-se na semana passada a um consenso, do qual a Suécia saiu satisfeita, de acordo com o primeiro-ministro Stefan Löfven.

Apesar de posição de partida bastante difícil, os interesses e prioridades Suecos foram tidos em conta e tiveram um impacto substancial no acordo final”, Stefan Löfven, primeiro-ministro da Suécia.

 

O pacote de recuperação surge como uma resposta à enorme crise económica provocada pela pandemia, correspondendo a um total de 750 mil milhões de euros, dos quais 360 mil milhões serão atribuídos sobre a forma de empréstimos e 390 mil milhões sobre a forma de subsídios. Face a todo o orçamento, a Suécia receberá 40 mil milhões SEK (aproximadamente 4 mil milhões de euros) durante três anos.

 

Apesar da soma atribuída à Suécia ser bastante avultada e mais do que o esperado, a verdade é que a percentagem, relativamente ao que outros países receberão é consideravelmente menor, representando menos de um por cento do PIB. Isto acontece porque a distribuição será feita de acordo com critérios como o tamanho da população, o PIB, as taxas de desemprego e o nível de riqueza de um país e, precisamente pela Suécia ser um país bastante rico, com uma capacidade financeira consideravelmente superior à média europeia e a sua recessão não ser necessariamente tão grande como no resto da Europa, o país receberá apenas 40 mil milhões SEK.

 

Apesar de ainda não terem sido revelados grandes pormenores, sabe-se que este valor entregue terá necessariamente de ser aplicado em investimentos para o futuro. A título de exemplo, 30 por cento de todos os fundos recebidos terão de ser investidos em questões ambientais, assim como a digitalização deverá ser central na maioria dos investimentos.

Partilhar