Mercados Externos

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

Contact Us


Homepage » Internacionalizar

 Mercados Externos 

Suécia

 



União Europeia (UE)


• A Suécia faz parte da (União Europeia (união económica e política de características únicas, constituída por 28 países ).

• A UE integra uma União Aduaneira (território único para efeitos alfandegários, ou seja, não são aplicados direitos aduaneiros aos bens que circulam entre países comunitários e está em vigor um Código Aduaneiro da União para as importações provenientes de países terceiros).

• O comércio livre entre os países comunitários teve concretização no Mercado Único (também designado Mercado Interno), criado em 1993 e caracterizado pelas 4 liberdades: Livre Circulação de Mercadorias; Livre Circulação de Capitais; Direito de Estabelecimento e Livre Prestação de Serviços; Livre Circulação dos Trabalhadores.

Flash País / Ficha de Mercado


Oportunidades e Dificuldades


• A Suécia é uma das economias mais desenvolvidas, competitivas e modernas do mundo, conciliando um sistema assente nas tecnologias de ponta com um extenso leque de benefícios sociais e elevados padrões de vida.

• A posição preponderante da economia sueca é explicada ainda por outros fatores, tais como um alto grau de maturidade tecnológica, uma capacidade inovadora liderante, uma cultura empresarial muito sofisticada e um ambiente macroeconómico estável.

• A excelência do país em termos de investigação e desenvolvimento (I&D) faz da Suécia uma localização atrativa para investidores internacionais em alta tecnologia.

Oportunidades e Dificuldades / Guia Prático de Acesso ao Mercado


Ambiente Económico


• Após a recessão de 2009, a solidez económica do país, assente, sobretudo, no desempenho do consumo interno, revelou-se decisiva para a rápida recuperação encetada a partir de 2010. A solidez do consumo privado foi, em grande medida, responsável pela rápida recuperação económica, reflexo da sólida base económica sueca (sector bancário, mercado de trabalho, contas domésticas equilibradas, crescimento dos índices de produtividade).

• Suportado pelo aumento do rendimento disponível das famílias, pela descida da taxa de desemprego e ainda pela diminuição dos custos dos produtos alimentares e da energia, em 2015 e 2016, o consumo doméstico cresceu 3% e 2,1%, respetivamente.

• Entre 2017 e 2019, este deverá crescer a uma média anual de 2,2%. Em 2017, a economia cresceu 2,7%, impulsionada pelo investimento interno e pelas exportações. Para 2018, projeta-se que a economia se mantenha estável, crescendo 2,6%, devendo, para o período 2019-2022, crescer a uma taxa média anual de 2,3%.

Flash País / Ficha de Mercado


Relações Bilaterais com Portugal


• Em 2017, a balança comercial de bens e serviços foi positiva para Portugal, com o saldo a atingir 53,8 milhões de euros. De assinalar que as exportações cresceram 7,3% face ao ano anterior, e as importações registaram um decréscimo de 3,8%.

• No período 2013-2017, as exportações e as importações tiveram uma evolução positiva, tendo-se verificado crescimentos médios anuais de 3,7% e 5,9%, respetivamente. No que respeita ao comércio de bens em 2017, a Suécia posicionou-se 15º lugar no ranking de clientes, representando 0,91% das exportações portuguesas.

Relações Económicas Bilaterais



Quadro Regulamentar Comunitário


Venda de Bens / Estabelecimento e Prestação de Serviços

• Não há pagamento de direitos aduaneiros (ou restrições quantitativas) no comércio intracomunitário (Livre Circulação de Mercadorias).

• Apesar de alguma uniformização (regras gerais na aplicação do IVA, os países ainda são soberanos na aplicação das respetivas taxas (Suécia: 25%, 12% e 6%).

• Certos produtos estão também sujeitos à aplicação de taxas (variáveis) a título de Impostos Especiais de Consumo. • As mercadorias que circulam no Mercado Interno têm que observar o acervo legislativo comunitário (acquis). Em caso de aplicação incorreta das regras do Mercado Único, existe um serviço – SOLVIT que permite a resolução informal de litígios.

• No caso do direito de estabelecimento e da livre prestação de serviços o quadro jurídico resulta da Diretiva n.º 2006/123/CE (transposta, em Portugal, pelo Decreto-Lei n.º 92/2010). A regra é a do princípio da liberdade, embora haja serviços excluídos ou com restrições.

Regime de Investimento Estrangeiro

• Caraterizado pela livre circulação de capitais, de onde resulta um quadro geral do investimento estrangeiro comum em todo o espaço comunitário, nos limites decorrentes do princípio da subsidiariedade, sem prejuízo dos instrumentos legislativos estabelecidos pelos Estados-Membros; • Entre a Suécia e Portugal está em vigor uma Convenção para Evitar a Dupla Tributação (CEDT).

Condições legais de acesso / Acordos Bilaterais

Para mais informações consulte a nossa Livraria Digital

Ações AICEP

 

Abc Mercado - Suécia e Noruega   

   

Data: 2 e 4 de junho de 2014

Local: Lisboa e Porto
Setores:
Multissetorial

Data: 31;de maio de 2014

Local: Lisboa e Porto
Setores:
Moda

 


Informação Relevante


                                                                                                              A Rede Externa da AICEP   

Partilhar