AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

Contact Us


Homepage » Internacionalizar » Multilaterais

FAQ

 

FAQ

 

 

1. O que é o Mecanismo de Acompanhamento das Multilaterais Financeiras?

 

O Mecanismo de Acompanhamento tem por missão afirmar-se como centro dinamizador da rede do mercado das multilaterais financeiras, tendo em vista aproveitar plenamente as oportunidades de negócio geradas pelo mesmo, contribuindo desta forma para o aumento das exportações nacionais e para a internacionalização das empresas portuguesas.

 

 

2. Qual a composição do Mecanismo de Acompanhamento das Multilaterais Financeiras?

 

O Mecanismo de Acompanhamento das Multilaterais Financeiras é composto pelos seguintes órgãos:

 Grupo de Trabalho, constituído por elementos da AICEP e do GPEARI;

 • Comissão de Acompanhamento, que para além dos representantes da AICEP e do GPEARI é ainda composta pelas seguintes entidades: 

 

AEP - Associação Empresarial de Portugal

 

AIP - Associação Industrial Portuguesa

 

APB - Associação Portuguesa de Bancos

 

APPC - Associação Portuguesa de Projectistas e Consultores

 

CPCI – Confederação Portuguesa da Construção e do Imobiliário

 

DGAE – Direcção-Geral das Actividades Económicas do MEE

 

DGATE - Direcção Geral dos Assuntos Técnicos e Económicos do MNE

 

ENERGYIN – Pólo de Competitividade e Tecnologia da Energia

 

IPAD - Instituto Português de Apoio ao Desenvolvimento

 

PPA - Parceria Portuguesa para a Água

 

SOFID - Sociedade para o Financiamento do Desenvolvimento S.A.

 

 

3. Quais as competências do Grupo de Trabalho do Mecanismo de Acompanhamento das Multilaterais Financeiras?

 

O Grupo de Trabalho, com funções operacionais, tem como objetivos:

(i)         Centralizar a informação relativa a projetos resultantes de financiamentos multilaterais e outros concursos internacionais no âmbito do mercado das multilaterais (pré-avisos respeitantes a concursos futuros e abertura de concursos) bem como sua posterior divulgação na forma de base de dados;

(ii)                 Acompanhar a evolução de projetos apresentados, bem como prestar serviços de consultoria quanto ao feedback de eventuais fatores de insucesso da candidatura;

(iii)                Coordenar e divulgar a realização de seminários e workshops relativos a oportunidades de negócio (licitação, investimento, serviços financeiros e consultoria) de forma abrangente ou específica a determinados sectores de atividade considerados relevantes;

(iv)               Agendar missões e/ou visitas de empresas aos respetivos departamentos e escritórios locais das IFI;

(v)                 Divulgar informação sobre os Fundos de Cooperação Técnica de Portugal junto das IFI, bem como as estratégias dos organismos internacionais financiadores;

(vi)               Coordenar a redação de manuais de consulta inicial, relativos a cada uma das IFI, bem como ao ciclo do projeto;

(vii)              Constituir um sistema individualizado de alerta para os agentes económicos nacionais, com personalização de critérios de pesquisa;

(viii)            Editar folhetos informativos de acompanhamento da atualidade das instituições, considerada relevante para este âmbito, novos projetos, projetos em curso e de contratos adjudicados a agentes económicos nacionais;

(ix)               Promover o recurso sistemático a tecnologias de informação eficientes e inovadoras.

 

4. Quais as competências da Comissão de Acompanhamento do Mecanismo de Acompanhamento das Multilaterais Financeiras?

 

Compete à Comissão de Acompanhamento, enquanto órgão consultivo, emitir recomendações e pareceres sobre todas as questões relativas à inserção dos agentes económicos portugueses no mercado em causa, bem como ao funcionamento da rede.

 

5. Quais são as Entidades Financeiras Multilaterais atualmente acompanhadas pelo mecanismo?

 

As Entidades Financeiras atualmente acompanhadas pelo Mecanismo são as seguintes:

Banco Mundial (BM)

Banco Africano de Desenvolvimento (BAfD)

Banco Asiático de Desenvolvimento (BAsD)

Banco Europeu para a Reconstrução e Desenvolvimento (BERD)

Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID)

Corporação Andina de Fomento (CAF)

 

6. Como aceder às informações sobre projetos e concursos?

 

As oportunidades de negócio no mercado das multilaterais financeiras podem ser consultadas nos sites das respetivas IFI ou, de uma forma mais regular, podem ser recebidas através da subscrição de notices e alertas nos sites das IFI.

As empresas podem também consultar a secção Projectos Internacionais deste site. São divulgações selecionadas pelo Grupo de Trabalho das Multilaterais como de potencial interesse para as empresas portuguesas. Estas divulgações estão divididas por Mercado e Sector e apresentam informação básica e essencial sobre cada projeto/concurso.

 

7. O que são as bases de registo das IFI, e porque é importante o registo da empresa nestas bases?

 

As bases de registo das IFI são locais onde as empresas se devem registar para que possam ser consideradas em projetos financiados por estas instituições. Este registo é importante porque, além de permitir à empresa apresentar-se junto da IFI sem qualquer custo, permite à IFI manter um canal de acesso direto à empresa. As páginas de registo são as seguintes: Banco Mundial e Banco Interamericano de Desenvolvimento; Banco Africano de Desenvolvimento; Banco Europeu para a Reconstrução e Desenvolvimento; Banco Asiático de Desenvolvimento.

 

 

8. A que entidades devem ser solicitadas informações e esclarecimentos sobre o Mercado das Multilaterais Financeiras?

 

Os interessados deverão solicitar informações e esclarecimentos ao Grupo de Trabalho das Multilaterais, a quem compete a dinamização e acompanhamento deste sector. O Grupo de Trabalho encontra-se em funções nas instalações da aicep Portugal Global, e os interessados poderão efetuar os contactos necessários para pedidos de informação ou agendamento de reuniões através do seguinte endereço eletrónico: gt.multilaterais@portugalglobal.pt.

 

9. O que é o mercado do procurement?

 

No seu sentido mais lado, o mercado do procurement, corresponde aos concursos públicos para aquisição de bens e serviços. Após a aprovação de um financiamento a um projeto entre uma IFI e um governo beneficiário, as entidades governamentais executantes lançam os concursos necessários para a execução desse projeto. Estes concursos têm obrigatoriamente de cumprir os requisitos internacionais e as regras estipuladas por cada IFI (procurement guidelines), oferecendo assim garantia de transparência, utilização das melhoras práticas internacionais e ainda maior segurança em todo o processo de relacionamento entre as empresas e os donos das obras (autoridades locais), para além do prestígio inerente a estas parcerias.

 

10. O que é o Sector Privado?

 

O Sector Privado das IFI estabelece operações bilaterais com empresas ou com a Banca, excluindo os governos. Tem como objetivo institucional facilitar o acesso ao crédito a regiões e países excluídos do mercado de capital privado e financiar programas em países considerados de risco elevados para investidores privados.

 

11. O que é um Trust Fund?

 

Um Trust Fund, ou Fundo de Cooperação Técnica, é um instrumento celebrado entre a República Portuguesa e uma IFI, cujos valores, não reembolsáveis (a fundo perdido), se destinam a financiar serviços de consultoria e assistência técnica nos países em desenvolvimento membros de uma IFI. Portugal detém Trust Funds no BAfD, BERD e BID. Estes fundos constituem oportunidades para as empresas portuguesas, na medida em que alguns dos seus montantes se destinam a serem utilizados por agentes económicos nacionais. No entanto, a gerência e proposta de projetos a serem financiados por estes fundos cabe às respetivas IFI.

Os projetos em curso financiados por estes fundos podem ser consultados na secção Projectos Internacionais, estando devidamente assinalados.  

 

 

 

 
Partilhar