Portugal na Dutch Design Week 2019 | Feiras e Exposições Internacionais

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

Contact Us


Homepage » Eventos » Feiras Internacionais

Portugal na Dutch Design Week 2019 | Feiras e Exposições Internacionais 

Local: Eindhoven, Holanda

Data: 19 a 27 de outubro de 2019

A Dutch Design Week realiza-se desde 1998 e é atualmente o maior evento de design na Europa do Norte, apresentando trabalhos e conceitos de mais de 2.600 designers a cerca de 330.000 visitantes nacionais e estrangeiros. A DDW inclui exposições, palestras, atribuições de prémios, eventos de networking e debates, dispersos por mais de cem locais em toda a cidade de Eindhoven “Capital Holandesa do Design”. Este evento distingue-se de outros eventos de design, pelo seu enfâse em projetos para o futuro, designadamente pela apresentação de trabalhos de jovens talentos. Foram já inúmeros os países representados que marcaram presença com uma participação coletiva na DDW, como são os casos do Canadá, Dinamarca, Bélgica, Espanha e Suécia, todos eles reputados centros de design.

 

A presença portuguesa promovida pela aicep Portugal Global
Pelo segundo ano consecutivo, a aicep Portugal Global organiza a participação coletiva na Dutch Design Week, sendo o tema escolhido para a edição deste ano “in / PERFECTION” e para a qual foi convidada a AID - Associação para a Inovação pelo Design, que será responsável pela consultoria desta participação (conceito expositivo, desenho da exposição e conteúdos informativos) em coordenação com a aicep Portugal Global.

 

Sendo este o maior evento de design da Europa do Norte, a participação portuguesa tem não só como objetivo promover internacionalmente a excelência do design nacional, como também promover os designers portugueses, aumentando desta forma a notoriedade da oferta nacional, não só junto de compradores e prescritores internacionais, como também junto da imprensa internacional.

 

Para a representação da edição deste ano foram selecionadas as seguintes marcas:

 

- Dedal

- Design RO•SE para Memory keepers

- Fuschini

- JOÃO BRUNO DESIGN

- LISLEI

- Matilde Vieira e Monteiro

- MONICA SANTOS

- Offiskill – Home Office Furniture

- Passa Ao Futuro

- Studio JAV

- THAT PLACE

- YogurtNest

 

> Veja o catálogo da Dutch Design Week: 

 

 

Versão PDF: 

Versão iPaper:

 

Para mais informações: icc@portugalglobal.pt

 

O conceito da exposição: in / PERFECTION

im·per·fei·ção
Substantivo feminino
1. Qualidade daquilo que é imperfeito.
2. Falta de primor.
3. Falta de perfeição física ou moral. = DEFEITO, FALHA, INCORRECÇÃO
"Imperfeição", in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa

 

O conceito para esta exposição emerge da vontade de reformular a interpretação que de uma forma geral, todos nós temos sobre o termo – imperfeição – não só especificamente no artesanato, mas em todo o objecto produzido de forma semi-industrial, ou seja, com auxílio, em maior ou menor escala, da mão humana.

 

Imperfeição - Surge ora inadvertidamente, ora resultado do material que se utiliza, das ferramentas, do processo de execução, assemblagem, do trabalho manual. Decorre de um processo contínuo, sujeito a uma construção ou produção humana, fruto da condição humana, que naturalmente erra.

Em peças puramente artísticas pode ser firmada como ponto de diferenciação, de descobrimento do desenho da peça, da sua produção ou até da personalidade do autor.


Porque não é a imperfeição humana, visível, acentuada ou valorizada?

Ela é uma condição humana, que também é transferida para o objecto. Na imperfeição explica-se toda uma história, um processo, uma atitude ou um conjunto de sentimentos, experiências e de realidades.
Muito se fala, na sociedade atual, na perfeição, no controlo da qualidade, na norma, na esterilização dos produtos, fruto de um mercado sedento de grandes escalas de produção para um cada vez mais baixo custo e, por sua vez, maior lucro para toda a cadeia de valor. Este modus operandi trás como consequência, uma enorme uniformização dos objetos presentes nas nossas vidas, deixando para trás o apreço sentimental que atribuímos, no passado algo distante, a determinados objetos únicos.

 

A cultura oriental nipónica mostra-nos uma arte ou técnica ancestral que tem como princípio a reparação de objetos partidos ou imperfeitos com uma laca misturada em pó de ouro, prata ou platina. Conhecido como Kintsukuroi “reparo com ouro”, é um procedimento não só de restaurar a peça, mas evidenciar a falha, imperfeição com uma material nobre, como o ouro. Neste caso a falha é vista como uma peça única, na história do objecto, e segundo essa mesma cultura aumenta a sua beleza e valor.

O artesanato sempre teve esta condição como uma das suas mais valorosas características, ao permitir a diferenciação, o único, a indicação da imperfeição humana.


Nesta curadoria procura-se a continuação da valorização do artesanato, do seu aspecto social, real, humano, não como uma perduração da tradição no seu sentido histórico, mas sim continuação, pilar para o desenvolvimento de novos desenhos, desejos e de novas vivências.

 

Pretende-se, de alguma forma, com esta exposição detetar, assumir e, se caso for, realçar o erro, a imperfeição de um determinado objeto, natural da influência total ou parcial da produção manual, e interpretá-lo como elemento diferenciador e valorizador do objeto.

Partilhar