AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

Contact Us


Homepage » Eventos » Como Vender Em

 

Data: Lisboa, 8 e 9 de abril de 2019
         Porto 10, 11 e 12 de abril de 2019
Hora: Reuniões bilaterais, em horário a agendar oportunamente
Local: Lisboa, AICEP – R. de Entrecampos, n.º 28, Bloco B – 12.º
           Porto, AICEP - R. Júlio Dinis, n.º 748, 9.º Dir.
Inscrições: encerradas 

 

Visando incrementar o comércio e o investimento bilaterais entre Portugal e a Coreia do Sul, designadamente através do melhor aproveitamento das novas oportunidades de negócios proporcionadas pelo mercado, convidamo-lo a participar nesta ação concebida à medida dos seus interesses que pretende responder a questões específicas colocadas pelas empresas na sua Ficha de Inscrição e prestar aconselhamento personalizado sobre como vender no mercado sul coreano, numa perspetiva de primeira abordagem, de qualificar e desenvolver o seu negócio ou de investir neste mercado que tem registado um crescente interesse por parte das empresas portuguesas.


Para o efeito, são agendadas reuniões individuais de 60 minutos com a Responsável pelo Ponto de Rede da AICEP em Seul, Joana Neves que para o efeito, se desloca propositadamente a Portugal.


Esta é uma oportunidade de enriquecer conhecimentos, esclarecer dúvidas e obter aconselhamento para fazer crescer negócios de uma forma sustentável e segura num mercado dinâmico cujo potencial ainda está por descobrir!

Sobre a Coreia do Sul

 

▪ Economia aberta, desenvolvida, das mais dinâmicas e tecnológicas do mundo – 14.ª maior economia mundial, 6ª maior exportadora e 9ª importadora a nível mundial, em 2017 (World Trade Organization), ocupa a 26ª posição no ranking do Global Competitiveness Index 2017-18 (entre 137 países) e o mesmo lugar no ranking global do EIU – Economist Intelligence Unit (entre 82 mercados), sendo o 4.º do Doing Business Report quanto à facilidade de fazer negócios (entre 190 países). Entre 2013 e 2017 o crescimento médio anual do PIB foi de 3% e perspetiva-se que se mantenha a trajetória de crescimento sustentado no período 2018-2022, prevendo-se uma taxa de variação média anual de 2,9% do PIB, em termos reais.


▪ É a 3ª maior economia asiática, muito aberta a importações e investimentos e a única a ter Acordos de Livre Comércio com as três maiores economias mundiais (UE, EUA e China), para além de outros Acordos similares com mais de 50 países. Com um PIB per capita estimado em 32 000 USD (Korea Bank) para 2017, conta com mais de 51 milhões de consumidores, com um nível de vida similar ao dos países da Europa Ocidental. Uma classe média detentora de elevado poder de compra, exigente e sofisticada, com especial apetência por artigos de luxo. Carateriza-se também por uma avidez de consumo, sobretudo de produtos novos e únicos, ligados à saúde e bem-estar, não sendo de estranhar assim, que o consumidor sul coreano seja percecionado como um defensor acérrimo da green economy.


▪ Para além da sua importância geoestratégica (próximo de mais de 140 cidades com mais de 1 milhão de habitantes), a Coreia do Sul tem excelentes infraestruturas, um regime legal que protege os direitos de propriedade intelectual e é vista como um excelente mercado de teste para a introdução de novos produtos. Possui ainda recursos humanos altamente qualificados e registou um desenvolvimento económico muito significativo e consistente nas últimas décadas, passando a ser uma das maiores potências económicas globais.


▪ É hoje um dos mercados de consumo mais importantes de toda a Ásia, tem imenso potencial pelas suas caraterísticas de inovação sendo também um dos mais competitivos, para onde é possível exportar produtos e serviços que combinem um mix de estratégia, qualidade, inovação, marketing, design e preço. As caraterísticas da nossa oferta permitem aspirar a que Portugal venha a desempenhar um papel de fornecedor da Coreia do Sul mais ativo em alguns setores onde temos vantagens comparativas que satisfazem os mais elevados padrões de exigência.


▪ O relacionamento económico bilateral é incipiente e desfavorável a Portugal mas, por isso mesmo, existe muito espaço para crescer. Ainda assim, o crescimento médio anual das nossas exportações para o mercado sul coreano, no período de 2013-2017, foi de 11%, ascendendo a cerca de 125,4 milhões de euros e já cerca de 650 empresas portuguesas operam neste mercado tão concorrencial.


▪ Tem um potencial de negócios por explorar muito interessante, sendo um mercado de desafios e oportunidades aliciante para as nossas empresas. Muitas delas testemunharam que negociar com a Coreia do Sul determina ganhos de sofisticação no produto e de eficácia no processo produtivo. Exportar para a Coreia do Sul é, atualmente, um excelente cartão-de-visita que facilita o acesso a outros mercados da região e não só, com padrões de qualidade e inovação similares.


▪ É um mercado de aposta para as exportadoras para mercados sofisticados, em particular no que concerne aos produtos e serviços portugueses com maior valor acrescentado, elevado teor tecnológico e bom serviço pós-venda que conseguem vantagens comparativas relevantes, estando as melhores oportunidades para as nossas exportações centradas nas empresas que possam oferecer produtos verdadeiramente distintivos, de valor acrescentado e com um justo value for money. A título exemplificativo, referem-se setores como o agroalimentar, o mobiliário, a fileira moda (incluindo calçado e acessórios), as TICE (IA, nanotecnologia, entre outros), a arquitetura, os revestimentos de interior, e os setores do living em geral. Cabe às nossas empresas tirar partido das oportunidades já identificadas e transformá-las em negócios concretos.


▪ O Acordo de Comércio Livre celebrado com a UE, de longo alcance, permitiu um posicionamento mais competitivo das empresas portuguesas, pois para além da redução/isenção de direitos aduaneiros na importação de bens comunitários na Coreia do Sul, estabeleceu um conjunto extenso de cláusulas que visam eliminar os obstáculos e barreiras técnicas ao comércio entre as partes, como a cooperação em matéria de normas e questões regulamentares, transparência e marcação / rotulagem.

Partilhar